segunda-feira, 20 de março de 2017

Quaresma III - "A Samaritana"

I - Santa Photini - A Mulher Samaritana



De acordo com a tradição da Igreja Ortodoxa, St. Photini viveu na Palestina do primeiro século. Ela era a mulher samaritana que Cristo visitou no poço pedindo água. Foi ela quem aceitou a "água viva" oferecida pelo próprio Cristo depois de se arrepender de seus muitos pecados (João 4: 5-42). Ela foi e disse a seus habitantes que ela tinha encontrado o Cristo. Por isso, às vezes é reconhecida como a primeira a proclamar o Evangelho de Cristo. Ela converteu suas cinco irmãs (Sts. Anatole, Photo, Photis, Paraskeve e Kyriake) e seus dois filhos (Victor e Joses). Todos eles se tornaram evangelistas incansáveis ​​para Cristo.




Os apóstolos de Cristo a batizaram e lhe deram o nome de Photini, que significa "o iluminado". Ela é lembrada pela Igreja como um Santo Mártir e Igual aos Apóstolos. Após Sts. São Pedro e Paulo serem martirizados, S. Fotini e sua família deixaram sua pátria de Sicar, em Samaria, para viajar a Cartago para proclamar o Evangelho de Cristo.

Durante o reinado do imperador Nero no primeiro século, a crueldade excessiva foi exibida contra os cristãos, St. Photini viveu em Cartago com seu filho mais novo, Joses. Seu filho mais velho, Victor, lutou bravamente no exército romano contra os bárbaros, e foi nomeado comandante militar na cidade de Attalia (Ásia Menor). Mais tarde, Nero chamou-o para a Itália para prender e punir os cristãos.

Sebastian, um oficial da Itália, disse a Victor: "Sei que você, sua mãe e seu irmão, são seguidores de Cristo. Como um amigo eu aconselho você a submeter-se à vontade do imperador. Se você informar sobre qualquer cristão, você receberá sua riqueza. Escreverei a sua mãe e ao seu irmão, pedindo-lhes que não preguem Cristo em público. Deixe-os praticar sua fé em segredo. "

Victor respondeu: - Quero ser um pregador do cristianismo, como minha mãe e meu irmão. Sebastian disse: "Ó Victor, todos sabemos o que lhe espera, sua mãe e seu irmão." Então Sebastian de repente sentiu uma dor aguda em seus olhos . Ele estava aturdido, e seu rosto estava sombrio.

Durante três dias Sebastian ficou cego, sem dizer uma palavra. No quarto dia, ele declarou: "O Deus dos cristãos é o único Deus verdadeiro." St. Victor perguntou por que Sebastian tinha mudado de idéia de repente. Sebastian respondeu: "Porque Cristo está me chamando." Logo ele foi batizado, e imediatamente recuperou a vista. Os servos de São Sebastião, depois de testemunharem o milagre, também foram batizados.

Os relatos disso chegaram a Nero, e ordenou que os cristãos fossem trazidos a ele em Roma. O próprio Senhor apareceu aos confessores e disse: "Não temas, porque eu sou contigo. Nero e todos os que o servirem serão vencidos. "O Senhor disse a Vítor:" Desde agora, o teu nome será Photinus, porque por meio de ti muitos serão iluminados e crerão em Mim ". 

Todas essas coisas, e até mesmo eventos futuros, foram reveladas a S. Photini. Ela deixou Cartago na companhia de vários cristãos e se juntou aos confessores em Roma.

Em Roma, o imperador Nero ordenou que os santos fossem trazidos diante dele, e perguntou-lhes se realmente acreditavam em Cristo. Todos os confessores se recusaram a renunciar ao Salvador. O imperador então deu ordens para esmagar as juntas dos dedos dos mártires. Durante a tortura, os confessores não sentiram nenhuma dor, e suas mãos permaneceram ilesas.

Nero ordenou que os Sts. Sebastião, Photinus e Joses deviam ficar cegos e presos na prisão, e St. Photini e suas cinco irmãs, Anatola, Phota, Photis, Paraskeva e Kyriake foram enviadas para a corte imperial sob a supervisão da filha de Nero, Domnina. S. Fotini converteu Domnina, filha de Nero, e seus servos a Cristo. Ela também converteu um feiticeiro, que lhe trouxera comida envenenada, destinada a matá-la.

Passaram-se três anos, e Nero mandou à prisão um dos seus servos, que tinham sido trancados. Os mensageiros relataram que Sts. Sebastian, Photinus e Joses, que tinham sido cegos, tinham se recuperado completamente, e que as pessoas estavam visitando-os para ouvir a pregação deles. De fato, toda a prisão foi transformada em um lugar brilhante e perfumado onde Deus foi glorificado.

Nero então deu ordens para crucificar os santos, e para bater seus corpos nus com tiras. No quarto dia, o imperador enviou servos para ver se os mártires ainda estavam vivos. Aproximando-se do lugar das torturas, os servos caíram cegos. Um anjo do Senhor libertou os mártires de suas cruzes e os curou. Os santos se compadeceram dos servos cegos, e restauraram sua visão com suas orações ao Senhor. Os que foram curados passaram a crer em Cristo e logo foram batizados.

Em uma raiva, Nero deu ordens para esfolar a pele de St. Photini e jogá-la para baixo de um poço. Sebastian, Photinus e Joses tiveram as pernas cortadas, e eles foram atirados aos cães, e então tiveram sua pele desgastada fora. As irmãs de S. Photini também sofreram terríveis tormentos. Nero deu ordens para cortar seus seios e para esfolar sua pele. Perito em crueldade, o imperador preparou a mais feroz execução de St. Photis: amarraram-na pelos pés até o topo de duas árvores curvadas. Quando as cordas foram cortadas, as árvores se ergueram e rasgaram o mártir. O imperador mandou decapitar os outros. S. Photini foi retirado do poço e trancado na prisão por vinte dias.

Depois disto, Nero mandou trazer-lhe S. Photini e perguntou se ela agora iria ceder e oferecer sacrifício aos ídolos. St. Photini cuspiu em seu rosto, e rindo dele, disse: "Ó, o mais ímpio dos cegos, seu libertino e estúpido homem! Você me acha tão enganado que eu consentiria em renunciar ao meu Senhor Cristo e em vez disso oferecer sacrifício a ídolos tão cegos como você? "

Ouvindo essas palavras, Nero deu ordens para jogar St. Photini um poço, onde ela entregou sua alma a Deus no ano 66.


Fonte: http://www.antiochian.org/st-photini-samaritan-woman
Obs: Como é comum na arte oriental a maior parte das representações de Santa Photini é na forma de ícones cujos autores não podemos precisar. 

II - O encontro de Jesus com a Samaritana (Papa Bento XVI)





O terceiro domingo da Quaresma é caracterizado pelo famoso diálogo entre Jesus e a mulher samaritana, narrado pelo evangelista João. A mulher ia todo dia tirar água de um poço antigo, que remonta ao patriarca Jacó, e nesse dia ela encontrou Jesus, sentado, “cansado  caminho” (João 4, 6). Santo Agostinho comenta: “Há uma razão para o cansaço de Jesus (…). A força de Cristo te criou; a fraqueza de Cristo te regenerou (…). Com sua força nos criou, com sua fraqueza veio nos buscar” (‘In Ioannis Evangelium’, 15, 2). O cansaço de Jesus, sinal da sua verdadeira humanidade, pode ser visto como um prelúdio à sua Paixão, com a qual Ele levou a cumprimento a obra da nossa redenção.


Em particular, no encontro com a samaritana, junto ao poço, surge o tema da “sede” de Cristo, que culmina com o grito na cruz: “Tenho sede” (Jo 19, 28). Certamente, esta sede, como o cansaço, tem um fundamento físico. Mas Jesus, continua dizendo Agostinho, “tinha sede da fé daquela mulher” (‘In Ioannis Evangelium’, 15, 11), assim como da fé de todos nós. Deus Pai o enviou para saciar a nossa sede de vida eterna, dando-nos o seu amor, mas, para oferecer-nos este dom, Jesus pede a nossa fé. A onipotência do Amor respeita sempre a liberdade do homem; toca o seu coração e espera pacientemente pela sua resposta.

No encontro com a samaritana, destaca-se, em primeiro lugar, o símbolo da água, que faz referência clara ao sacramento do Batismo, fonte de vida nova para a fé na Graça de Deus. Este Evangelho, de fato, como recordei na catequese da Quarta-Feira de Cinzas, faz parte do antigo caminho de preparação dos catecúmenos para a iniciação cristã, que tinha lugar na grande Vigília da noite da Páscoa. “Quem beber da água que eu lhe darei – diz Jesus -, esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água que jorra para a vida eterna” (João 4,14). 

Esta água representa o Espírito Santo, o “dom” por excelência que Jesus veio trazer da parte Deus Pai. Quem renasce na água e no Espírito Santo, ou seja, no Batismo, entra em uma relação real com Deus, uma relação filial, e pode adorá-lo “em espírito e em verdade” (Jo 4, 23.24), como continua revelando Jesus à mulher samaritana. Graças ao encontro com Jesus Cristo e ao dom do Espírito Santo, a fé do homem chega ao seu cumprimento, como resposta à plenitude da revelação de Deus.

Cada um de nós pode colocar-se no lugar da mulher samaritana: Jesus espera por nós, especialmente neste tempo quaresmal, para falar ao nosso coração, ao meu coração. Detenhamo-nos, em um momento em silêncio, em nosso quarto, em uma igreja ou em outro lugar retirado. Escutemos sua voz, que nos diz: “Se tu conhecesses o dom de Deus…”. Que a Virgem Maria nos ajude a não perder esta oportunidade, que qual depende a nossa autêntica felicidade.                        


[Tradução: Aline Banchieri em www.Cleofas.com.br]

III - Referências

http://www.antiochian.org - Santa Fotini, a mulher samaritana
www.Cleofas.com.br - Papa Bento XVI -



IV - Série "Quaresma"


Quaresma I - Fé e Arte

Quaresma II - A Transfiguração de Rafael Sanzio

Quaresma III - A Samaritana
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2017/03/quaresma-iii-samaritana.html

Quaresma IV - Cristo cura o cego de nascença (El Greco)

Quaresma V - Ressurreição de Lázaro por Janos Vaszary

Quaresma VI - Domingo de Ramos, pintura de Giotto di Bondone

Quaresma VII - Cerimônia do Lava Pés (pintura de Bernhard Strigel)

Quaresma VIII - Cristo e o bom ladrão

Quaresma IX - Sábado santo, "Da descida da Cruz ao Triunfo"

Quaresma X - Domingo de Páscoa, "A Ressurreição de Jesus Cristo", Piero della Francesca



Nenhum comentário:

Postar um comentário