terça-feira, 17 de abril de 2018

Barcelona IV - Etapa Contemporânea (período de 1800 a 1900)

I. - A Barcelona revolucionária e liberal 


O Contexto Histórico


O contexto histórico do final do século XVIII e início do século XIX, mostra  um período dos mais conturbados e de grandes modificações. Na América do Norte, a Inglaterra lutava para manter suas colônias enquanto a Espanha e a França apoiavam os rebeldes (1776 a 1783). Na Europa a Espanha entra em guerra contra a Inglaterra como aliada da França, segunda guerra marítima (1779 a 1783). 


Na Espanha o Rei Carlos III morre em 14 de Dezembro de 1788 e assume a coroa o seu filho Carlos IV que foi na maior parte dos aspectos, um rei medíocre e que não estava preparado para os desafios de seu tempo. 

Em 1789 se iniciava a revolução francesa e enquanto Luís XVI esteve vivo, até 1793, a Espanha fingia apoiar a França. Com a decapitação de Luís XVI a Espanha não teve escolha a não ser procurar uma aliança com o até então seu inimigo histórico, Inglaterra, no período do terror francês (1793 e 1795). Logo após em 1796, a Espanha voltou a se aliar com a França e manteve essa aliança mesmo quando Napoleão tomou o poder em 1799.

1808 a 1814 - Napoleão domina a Espanha


Napoleão em 1808, com o pretexto de atacar Portugal,  que era aliado da Inglaterra, entrou na Espanha com um exército de cerca de 200 a 300 mil homens. Logo que viu que o objetivo era ocupar também a Espanha, o rei Carlos IV, abdicou para seu filho Fernando e se refugiou na França. Se seguiu um verdadeiro pastelão. Fernando devolveu a coroa para seu pai que por fim abdicou em favor de Napoleão. Fernando também se refugiou na França.

Napoleão nomeou o seu irmão José Bonaparte como Rei da Espanha. Entretanto, o povo não aceitou e iniciou uma série de motins em nome do rei Fernando. Um período de revoltas populares por toda a Espanha prolongou-se até 1814, quando José Bonaparte fugiu para a França e Fernando reassumiu o trono da Espanha. Bonaparte que precisava de soldados na Rússia recolheu o seu exército para este front. 

Nesse período, em 1810, os líderes rebeldes criaram um Conselho agindo em nome de Fernando, e redigiram um Constituição que foi aprovada em 1812.


- Cenário revolucionário



A dificuldade de industrializar a Espanha trouxe duas dinâmicas diferentes. Por um lado a nação catalã, impulsora da industrialização e modernização, e por outro lado, a nação espanhola, num lento processo de modernização trazido pelo dinamismo da economia catalã. Esta dinâmica pode-se traduzir também nas classes obreiras. O proletariado começou, por tanto, inicialmente na Catalunha e tomou a cidade de Barcelona, capital da Catalunha, como centro das manifestações.

A cidade de Barcelona foi uma das principais partes da revolução liberal durante a primeira metade do século XIX, ou seja, a luta das classes empresariais em favor da construção de um estado moderno e representativo em conflito com a tendência de poder absoluto da monarquia.



A Constituição liberal de Cadiz de 1812 não foi aceita pelo novo monarca depois da derrota de Napoleão. O rei Fernando VII de Espanha que chegou ao trono em 1814 revolve impor o absolutismo. Isto provocou um golpe de estado de partidários do liberalismo em 1820. 

A França restaurada, por tanto, bourbônica,  em nome da Quádruple Aliança, traz outra vez as tropas à Península Ibérica para reprimir o golpe de Estado. 



Depois de 1833, com a morte de Fernando VII, começou um dos capítulos mais dinâmicos da história de Barcelona, ​​um período revolucionário convulsivo que permaneceu, em grande parte, ao longo das décadas centrais do século, até a restauração monárquica conservadora.



Em 1833, Maria Cristina, esposa de Fernando VII, agindo em nome de sua filha Isabel II de três anos,  tenta a construção de um estado liberal. Mas o irmão de Fernando VII, Don Carlos M. Isidro, quer continuar com o absolutismo e reivindica o trono para si. 

Os dois lados vão fazer derramar sangue durante o século XIX através de três longas guerras (de 1833 até 1876), chamadas Guerras Carlistas, que defrontam duas ideias: absolutismo e liberalismo. Está em jogo a abolição do feudalismo, a igualdade dos cidadãos, o estabelecimento do sufrágio universal,...,.


A nação catalã encontra-se dividida. As zonas mais industrializadas apoiam o liberalismo, com participação da burguesia catalã, pois a Catalunha adaptou-se à Revolução Industrial.  As zonas agrárias são partidárias do absolutismo e são pouco apoiadas pelo movimento obreiro. Durante a guerra haverá tentativas, como a de Jamància, em 1843, de proclamar uma república. É importante notar que o poder absolutista contava com o apoio da Igreja e os liberais eram contra a influência do clero e pregavam pela desapropriação de suas propriedades.


Triênio Liberal

Entre março de 1820 e setembro de 1823, voltou a estar em vigor a Constituição liberal de 1812, que Fernando VII foi forçado a jurar depois da insurreição democrática dos militares.   Durante este período, foram realizadas várias reformas políticas  e inovações sociais, como a liberdade de imprensa, formação de conselhos municipais constitucionais, a reforma do sistema fiscal e a supressão definitiva da Inquisição. 

Em 26 de abril de 1823, o exército dos Cem Mil Filhos de São Luís, que foi enviado da França para restaurar o poder absoluto da monarquia, terminou o Triênio Liberal na cidade. Os muitos projetos foram retomados após a morte de Fernando VII, no ano de 1833.


Desapropriação do Patrimônio da Igreja

Embora o confisco do patrimônio eclesiástico tenha começado no final século XVIII, não se materializou até o período entre 1836 e 1844. Em 19 de fevereiro de 1836, o governo progressista de Mendizábal expropriou as posses do clero regular (os monges), como os conventos e as propriedades urbanas. 

Em Barcelona, ​​isso significou a liberação de numerosos lotes de terra que representaram o desaparecimento de um patrimônio artístico e histórico considerável, mas também aparecimento de novos espaços e instalações públicas, como as praças Reial (convento) cappuccinos) e de Medinaceli (convento de Framenors), e os mercados da Boqueria (antigo convento de Sant Josep) e Santa Caterina (antigo convento dominicano), entre outros.

Em um ambiente de forte hostilidade contra monges e frades, a notícia da queima de conventos em Reus em 22 de julho de 1835, rapidamente se espalhou por toda a Catalunha. Três dias depois, no dia de San Jaime (25 de julho) os rebeldes queimaram os edifícios dos conventos masculinos, como o de Sant Agustí Nou (agostinianos calçados), de Sant Josep (Carmelitas Descalços) e Santa Caterina (Dominicanos).

Motins e Explosões

Dentro deste ciclo há um momento chave: o verão de 1840, quando Barcelona se tornou a cena do destronamento de uma rainha, María Cristina, e a regência do General Espartero começou. No entanto, foi o mesmo soldado que dois anos depois ordenou o bombardeio da capital catalã do castelo de Montjuïc. Nesse contexto revolucionário, a capital catalã exigiu mais melhorias, tanto políticas quanto urbanas.

Obs: O General Espartero era regente de Isabel II, no regime monárquico. Isabel II foi declarada maior em 1843, com apenas 13 anos, quando assumiu o trono. Isabel governou até 1868 quando foi deposta.


II. - A derrubada das Muralhas


II.1 - Abaixo as Muralhas! 




A demolição das muralhas medievais no ano de 1854 é o principal evento da história da cidade na era contemporânea. Do concurso de ideias de 1840, vencido por Pere Felip Monlau, e o assalto à cidadela, a demolição das muralhas era uma exigência constante por parte dos cidadãos de Barcelona. 

O desaparecimento das muralhas  que impediam o crescimento da cidade desde o tempo medieval deu lugar ao alargamento da cidade com a aplicação do Plano Cerdà e a construção da Barcelona contemporânea. 

Desde meados do século XVIII, a cidade começou uma crescimento demográfico e industrial que inviabilizava a coexistência das antigas muralhas defensivas e do desenvolvimento urbano moderno. A falta de espaço para os habitantes da cidade foi resolvida com mais permissividade nas ordenações dos prédios municipais massa de apartamentos, que piorou as condições de vida do Barcelonês da época.

Para as atividades industriais era necessário recorrer aos espaços disponíveis dentro da cidade - que a cada vez se tornavam menores, especialmente  no Raval.

Derrubada efetiva


Em 7 de agosto de 1854, após mais de um ano de negociações com a Governo de Madrid, começou o trabalho de demolição das muralhas, em um novo contexto revolucionário progressista e ao mesmo tempo na época da crise econômica e da saúde pública, com um novo surto de epidemia de cólera. 

Cinco dias depois, paradoxalmente, a demolição foi oficialmente autorizada. No entanto, o desaparecimento da cidadela não ocorreu até 1868, em um novo contexto revolucionário. Sem as paredes, começou-se a levar a cabo o trabalho de ampliação da cidade. Foi feito um mapa topográfico da planície, por Ildefons Cerdà (1855), e da cidade histórica (a atual Ciutat Vella), bairro a bairro, quarteirão por quarteirão, ficando esse trabalho de Miquel Garriga i Roca, popularmente conhecido como quarteirões.

Plano de Expansão de 1859


Em 7 de junho de 1859, foi aprovado em Madrid, por decreto real, o Plano de Reforma e Ampliação de Barcelona, encomendado pelo Ministério do Desenvolvimento para o Engenheiro Ildefons Cerdá.

III. - A Primeira República Espanhola


Em setembro de 1868, um novo levante revolucionário militar destronou a rainha Isabel II. Em Barcelona, o ambiente revolucionário permitiu concluir o projeto de derrubada da cidadela, o último obstáculo da transformação urbanística posta em marcha com a derrubada das muralhas e aprovação do Plano Cerdá. 


O Sexênio Revolucionário terminou com a proclamações, no ano de 1873, da Primeira República Espanhola, cuja trajetória foi efêmera.  A primeira república teve vários governantes que duravam apenas semanas ou meses. Em 1874 foi restaurada a monarquia com Afonso XII até 1885 e depois com Afonso XIII de 1886 a 1931.


IV. - A Exposição Universal de  1888 



A exposição de 1888, que surgiu da iniciativa privada e logo foi assumida pela Prefeitura, deu a Barcelona projeção internacional, um grande número de construções que se mantém até hoje e originou também uma forte polêmica política.







No ano de  1887 a Prefeitura da cidade, cujo prefeito era "Francesc de Paula Rius i Taulet", liderou o projeto de celebrar a   capital catalã com uma exposição internacional, impulsionada por un promotor privado, o gallego "Eugenio Serrano de Casanova", e da forma como Londres havia organizado em 1851.


A   Exposición foi organizada em tempo récorde, em pouco mais de uma ano. Em 20 de maio de 1888 a rainha regente María Cristina da Àustria, com o rei Alfonso XIII nos braços, a inaugurou oficialmente no Palácio de Bellas Artes, diante mais de cinco mil convidados.


Mais de dois milhões visitaram o recinto da Exposição no parque da Cidadela nos  245 dias de duração. Com a Exposição, Barcelona conseguiu uma projeção internacional positiva sem precedentes em sua historia, embora no âmbito local o acontecimento gerou uma forte polêmica política.



Herança Arquitetônica


Um número maior de edifícios da Exposição desapareceram do que aqueles que foram preservados. Os que ficaram em pé foram:  O monumento a Colombo; O antigo restaurante ou "Castell dels Tres Dragons", criado por Domènech i Montaner; O Museu de Zoologia da Noruega; o Depósito de las Agua;s, A biblioteca da Universidade Pompeu Fabra, obra de Fontserè e Gaudí; O Arco do Triunfo e o Palácio da Justiça.


Parc de la Ciutadella




O Parque da Cidadela (em catalão Parc da Ciutadella) foi durante muitos anos o único parque da cidade de Barcelona. Foi construído nos antigos terrenos da fortaleza da cidade (daí seu nome Cidadela), à imagem e semelhança do Jardim do Luxemburgo de Paris.


Está situado no bairro de Ciutat Vella, no triângulo compreendido entre a Estação de França, o Arco do Triunfo e a Aldeia Olímpica, entre o Passeig Pujades, o Passeig Picasso e a Rua Wellington. Dispõe de dez acessos e tem uma extensão de 17,42 hectares, sem contar com o Zoo de Barcelona.

Parc de la ciudadella, foto de @Iornet em shutterstock


Com a Exposição Universal de 1888, o presidente da câmara, Francisco de Paula Rius e Taulet, encarregou a urbanização do parque a Josep Fontserè.  Fontserè projetou jardins amplos para o lazer dos cidadãos, sob o lema «os jardins são para as cidades o que os pulmões são para o corpo humano».

Fontserè contou com a colaboração do jovem Antoni Gaudí, que interveio no projeto da Cascata Monumental, um dos pontos nevrálgicos do parque. Gaudí realizou o projeto hidráulico e desenhou uma gruta artificial por baixo da Cascata. O monumento destaca-se pela sua profusão escultural, para a qual contribuíram vários dos melhores escultores da época: com destaque para o grupo de esculturas de ferro forjado A Cuadriga de la Aurora, de Rossend Nobas, bem como El nascimiento de Venus, de Venanci Vallmitjana; o frontão é obra de Francesc Pagès i Serratosa.



 Monumento a Colombo




O Monumento a Colombo está erguido na praça do Portal da Paz, ponto de união entre o sul da Rambla e o Passeio de Colombo, em frente ao Porto de Barcelona.



O monumento foi construído como ponto culminante das obras de melhora do litoral de Barcelona, feitas na época da Exposição Universal de Barcelona de 1888. Inaugurado em 1 de junho de 1888, em plena exposição, converteu-se em seguida em um dos ícones mais característicos da cidade.

A estátua de Colombo está situada no alto de uma coluna de ferro. O monumento foi concebido por Gaietà Buïgas, e a estátua, de sete metros de altura, é obra do escultor Rafael Atché. O conjunto mede uma total de 60 metros de altura.

A estátua representa Colombo com o braço direito estendido e o dedo indicador apontado até o mar. Inicialmente foi dito que apontava para a América, mas esta afirmação criou polêmica já que a América está situada no sentido contrário para onde o dedo aponta. 

Surgiram então três correntes de opinião: a primeira, segundo a qual a estátua deve ser entendida como uma metáfora, afirma que a intenção de seu autor era que Colombo apontasse para a América, mas que o público não entenderia o dedo apontado para o lado contrário do mar, neste caso apontado para a la Rambla, ou seja, terra adentro, e por isso instalou a estátua apontando para o mar. A segunda opinião, muito similar à primeira, afirma que a estátua não aponta para a América, mas o caminho para a América pelo mar, que é a rota que fez Colombo partindo do porto de Palos de la Frontera (Huelva). E a terceira opinião é que a estátua não aponta a rota para a América mas sim para Gênova, cidade natal de Colombo, e que está em linha reta seguindo a direção que marca o dedo.




Monumento a Colombo e Prédio da Alfândega, Porto de Barcelona, foto de  Irina Papoyan em shutterstock.com



No interior da coluna, existe um elevador que permite subir até a semiesfera situada sob os pés da estátua, de onde pode se observar a cidade.

O grande incentivador da construção do monumento foi o prefeito de Barcelona Francesc Rius i Taulet. O financiamento do monumento causou uma grande polêmica na época. No início, foi pedido a doação particular, mas a Prefeitura de Barcelona (Ajuntament de Barcelona) teve que financiar os gastos já que o dinheiro doado foi insuficiente, e o orçamento inicial foi amplamente superado.


Castelo dos Três Dragões


O castelo dos Três Dragões é o nome popular dado ao edifício modernista construído entre 1887-1888 como um café-restaurante para a Exposição Universal de Barcelona, por Lluís Domènech i Montaner. Este nome, provavelmente, foi adotado do romance homônimo de 1865 de Serafí Pitarra.1 Desde 2011, tornou-se a sede científica do Museu de Ciências Naturais de Barcelona, ​​abrigando o Laboratório Nature com laboratórios e um espaço para pesquisa, estudo e conservação de coleções.




Reservatório de Águas - Atual Biblioteca da Universidade Pompeu Fabra



Construção de Diposit de les Aigues. Um então jovem estudante de arquitetura, Antoni Gaudí i Cornet, fez o cálculo de estática, dos elementos de suporte, do reservatório. O prédio data de 1876, mas não foi até 1880, quando abriu como o reservatório de água, com a função de regular o fluxo de água da cachoeira do Parque Ciutadella e regar seus jardins.





Arco do Triunfo


O Arco do Triunfo  é um monumento situado na confluência entre os passeios de Lluís Companys, São João e a ronda de São Pedro, na cidade de Barcelona, em Espanha. Foi projetado pelo arquiteto Josep Vilaseca i Casanovas como a entrada principal para a Exposição Universal de 1888. A decoração escultórica foi feita por Josep Reynés, Josep Llimona, Antoni Vilanova, Torquat Tasso, Manuel Fuxà e Pere Carbonell. Esta obra encontra-se registada como Bem Cultural de Interesse Local (BCIL) no Inventário do Património Cultural catalão com o código 08019/1053.








Ao contrário dos outros arcos triunfais com propósitos militares, o Arco do Triunfo de Barcelona tem uma componente civil maior, que é caracterizada pelo progresso artístico, científico e económico. O Arco do Triunfo também tem sido utilizado como linha de meta para algumas das corridas mais importantes de Barcelona, como a corrida Jean Bouin e a Maratona de Barcelona. Além disso, foi utilizado como recinto para a realização de festivais e eventos musicais como a Primavera Sound. O monumento foi restaurado em 1989.


Fachada da Catedral de Barcelona



Depois de quase quatrocentos anos sem grandes obras, no período para a Exposição Universal de 1888, foi graças ao patrocínio do financista Manuel Girona e Agrafel e  seus irmãos que retomaram-se as obras de conclusão da fachada. Foi realizado um concurso público para a sua edificação no ano 1882, estabelecendo como critério a seguir, o estilo gótico. Foi o projeto adjudicado a Josep Oriol Mestres, arquiteto titular da catedral desde o ano 1855. Inspirou-se no traçado realizado no ano 1408 por Carles Galtés de Ruan.






V. - A Unificação de Barcelona





Em 20 de abril de 1897, concluiu-se o processo de unificação municipal das cidades da planície de Barcelona, ​​liderado pela Câmara Municipal da capital catalã durante anos, especialmente durante as prefeituras de Rius i Taulet.

Com a progressiva anexação dos vários municípios da planície, que foi muito contestada pelas manifestações de seus habitantes, a cidade passou a ter mais de meio milhão de habitantes e uma série de novos desafios que começaram a ser satisfeitos após 1901.


Cidades anexadas

Naquela época, um decreto real assinado pela rainha regente Maria Cristina sancionou a anexação  dos antigos municípios de les Corts de Sarrià, Gràcia, Sant Andreu del Palomar, Sant Martí de Provençals, Sants e Sant Gervasi de caçarolas em Barcelona No entanto, demorou alguns anos a produzir a agregação de Horta (1904) e ainda mais a de Sarrià (1921). 


Grácia
Sant Gervasi







Com centros urbanos centenários, a maioria desses municípios foi criada após o desastre de 1714, dentro da nova organização territorial imposta pelas novas autoridades de Bourbon através do Novo Decreto de Planificação. 



A aprovação do plano da extensão, que teve de estender a malha ortogonal através da planície de Barcelona, ​​incluindo os antigos municípios independentes, causou inúmeras controvérsias e divergências, por isso    muitos deles eles ignoraram as linhas marcadas por Cerdà. Além disso, havia o problema das taxas das cidades, que eram muito mais baixas nas pequenas cidades que as de Barcelona, ​​fato que fez com que os ritmos de construção em L'Eixample fossem mais baixos do que os dos demais municípios da planície.



VI. - Referência


História de Barcelona: http://www.bcn.cat/historia/pag/capitols_es.htm



VII - Outras Publicações da série


Barcelona I - Da fundação à coroa de Aragão

Barcelona II - Da coroa de Aragão à época moderna

Barcelona III - Era Moderna
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2017/06/barcelona-iii-era-moderna.html

Barcelona IV - Etapa Contemporânea
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2018/04/barcelona-iv-etapa-contemporanea-1800.html

Próximos capítulos

Barcelona V - A Barcelona modernista

Barcelona VI - A guerra civil

Barcelona VII - Barcelona democrática




Nenhum comentário:

Postar um comentário