sábado, 15 de julho de 2017

Museu Hermitage - São Petersburgo

I  - Museu Hermitage - São Petersburgo - "Quando as instalações rivalizam com as obras de arte;"


  • O Museu Hermitage, em São Petersburgo, é um desses casos onde as instalações do museu  são tão maravilhosas que disputam a atenção dos visitantes com as próprias obras de arte que ele abriga.




  • É um dos maiores museus do mundo, tanto em quantidade e importância das obras como de área construída. Sua vasta coleção possui ítens de várias épocas da história russa, européia, oriental e do norte da África.
  • Ele está distribuído em dez prédios, situados ao longo do rio Neva, dos quais sete constituem por si mesmos monumentos artísticos e históricos de grande importância. Neste conjunto o papel principal cabe ao Palácio de Inverno, que foi a residência oficial dos Czares quase ininterruptamente desde sua construção até a queda da monarquia russa.
  • Organizado ao longo de dois séculos e meio, o Hermitage possui hoje um acervo de mais de 3 milhões de peças. O museu mantém ainda um teatro, uma academia musical e projetos subsidiários em outros países. O núcleo inicial da coleção foi formado com a aquisição, pela imperatriz Catarina II, em 1764, de uma coleção de 225 pinturas flamengas e alemãs.

II - Eventos Marcantes:


  • - Incêndio
  • Durante o reinado de Nicolau I o Hermitage experimentou sua primeira provação: em 1837 um grande incêndio, que durou mais de 30 horas, consumiu o palácio destruindo-o quase por completo. Sua decoração interna foi toda perdida e muitas obras de artes desapareceram nas chamas. Mas imediatamente após o incêndio foi formada uma comissão para o seu restauro. Apesar do mandato, algumas salas não puderam ser restauradas, embora outras o tenham sido com notável fidelidade, como a grande escadaria do Vestíbulo, a Igreja maior, a Sala de São Jorge e outros espaços. Afortunadamente havia sido preservada uma série de aquarelas muito exatas dos interiores, o que pôde conduzir os trabalhos de reconstrução.

  • - II Guerra Mundial

  • Novo desastre ocorreu durante a II Guerra Mundial. Antes da declaração do conflito, prevendo-se o pior, iniciaram-se planos para evacuação do museu para salvamento do seu acervo inestimável. Grande parte da coleção foi então enviada por dois trens até abrigos seguros nos Montes Urais. Quando estava sendo preparado o terceiro comboio a cidade foi sitiada, e então o restante das obras foi removido das salas de exposição e depositado sob as arcadas monumentais do térreo. Outros espaços foram adaptados como abrigos antibombas e enfermarias, cobriu-se de areia o chão e tomaram-se diversas outras providências emergenciais para a eventualidade de incêndios.
  • Durante os momentos mais acirrados da guerra chegaram a viver no museu cerca de 12 mil pessoas, incluindo muitos integrantes das equipes técnicas com suas famílias, para que o acervo e o prédio pudessem ser melhor defendidos. Houve períodos de fome aguda, quando os habitantes para sobreviverem tiveram de comer grama e cascas das árvores do jardim, e a cola de carneiro usada para trabalhos de restauro. Dezenas de bombas, algumas incendiárias, atingiram o Palácio, danificando-o seriamente.
  • No verão de 1944, enquanto o principal da coleção ainda estava no interior do país, foi organizada uma exposição simbólica, nas salas que estavam pouco danificadas, com as obras que não haviam sido evacuadas. Em 11 de outubro de 1945, os dois trens de Sverdlovsk  retornaram à cidade com o restante do acervo. Não foi assinalada a perda de nenhum item. No dia 14, foram pendurados novamente nas paredes os primeiros Rembrandts. Em novembro desse ano, 69 salas já havia sido reabertas.

III. - Principais instalações do Hermitage



III.1 - O Palácio de Inverno

É o maior e mais importante dos prédios do Hermitage, e está intimamente ligado à criação e evolução do museu. Foi construído por ordem da Imperatriz Ana Ivanovna pelo arquiteto Francesco Bartolomeo Rastrelli na década de 1730, utilizando partes de antigas construções como o palácio do Almirante Apraxin e mansões de oficiais de Pedro, o Grande. Contudo, ao assumir o trono, a Imperatriz Elisabeth considerou o palácio inadequado, o ordenou a Rastrelli erguer outro no local. As obras iniciaram-se em 1754 e perduraram até 1762, já sob o reinado de Catarina II.


Museu Hermitage visto do Rio Neva


O Palácio de Inverno foi erguido como uma glorificação da Rússia, numa época que seus governantes desejavam tornar São Petersburgo uma das mais brilhantes capitais da Europa, através de um plano de edificações magnificentes em toda a cidade. Sua construção empregou cerca de 4.000 pessoas e utilizou os melhores materiais disponíveis, trazidos de diversos locais. Tem um estilo barroco, concebido em proporções imponentes com fachada movimentada por uma variedade de elementos arquitetônicos, e com luxuriante decoração interna e externa. Passou por algumas reformas ao longo do tempo e serviu como residência dos monarcas até o início do século XX, passando a integrar então o complexo do museu.

Nesse tópico mostraremos alguns dos principais aposentos do Palácio do Inverno decorados como eles na época da sua utilização pelos Czares.


State Halls - Jordan Staircase

A escadaria principal ou a "Jordan Staircase" do palácio de inverno é assim chamada porque na festa da Epifania, o Tsar desceu essa escadaria imperial preparado para a cerimônia de "Benção das àguas" do rio Neva, uma celebração do batismo de Cristo no rio Jordão. A escadaria é uma das poucas partes do palácio retendo o estilo original do século 18. As colunas de granito cinza foram adicionadas no meio do século 19. 


A escadaria foi fortemente danificada pelo incêndio de 1837, mas Nicolau I ordenou ao arquiteto Vasily Stasov, para restaurar a escadaria usando os planos originais de Bartolomeo Rastrelli. Stasov fez duas pequenas mudanças: Ele trocou os corrimãos de bronze dourados originais com mármore branco e as colunas cor de rosa originais com granito cinza.



Escadaria Jordan, foto de Marco Rubino, shutterstock.com




O salão da escada, que tem um teto do século XVIII que representa os Deuses no Olimpo, está decorado com as estátuas de alabastro da Sabedoria e Justiça por Mikhail Terebenev (1795-1866); Grandeza e opulência de Alexander Ustinov (1796-1868); Fidelity and Equity por Ivan Leppe; E Mercúrio e Marte por Apollon Manyulov. 

Durante as recepções e funções estatais, a Escadaria Jordan era um ponto focal para os hóspedes que chegavam. Depois de entrar no palácio através da entrada dos Embaixadores, no pátio central, eles passavam pelo piso térreo das colunas no Hall antes de subir a escada para as salas oficiais. Depois de um baile no Palácio de Inverno em 1902, a Duquesa de Sutherland escreveu: "As escadas do palácio eram guardadas pelos cossacos, com centenas de homens de pé,  nunca vi na minha vida uma visão tão brilhante - a luz, Os uniformes, as salas enormes, a multidão, a música, fazendo um espetáculo quase bárbaro "


Pequena sala do trono / Biblioteca de Nicolau


A pequena sala do trono do Palácio de Inverno , São Petersburgo , também conhecida como o Salão Memorial "Pedro, O Grande", foi criada para o czar Nicolás I em 1833, pelo arquiteto Auguste de Montferrand . Após o incêndio em 1837,  a sala foi recriada, exatamente como havia sido anteriormente, pelo arquiteto Vasily Stasov .

Aqui, durante a era dos Czares, os diplomatas se reuniam no dia do Ano Novo para oferecer bons desejos ao czar. 


A pequena sala do Trono, foto de Volkova Natalia 
Biblioteca de Nicolau I, foto de red-feniks, shutterstock.com


Essa biblioteca, pertencendo aos apartamentos privados do último Imperador russo, foi criada em 1894-95 por Alexander Krasovsky. Na sua decoração o arquiteto fez uso estensivo de motivos góticos ingleses. As estantes de livros são colocadas nas paredes e na galeria superior, onde se chega por uma escada. O interior tem muita decoração utilisando couro e o ambiente nos leva a idade média. Na escrivaninha tem uma scultura em porcelana com o retrato de Nicolau II, o último imperador russo.



The Armorial Hall


O Salão Armorial do Palácio de Inverno é um vasto salão projetado originalmente para cerimônias oficiais. O Salão Armorial está localizado entre a Galeria Militar e o pátio do palácio .

O salão atual foi projetado por Vasily Stasov no final da década de 1830, depois que o salão original foi danificado no incêndio de 1837; Foi nesse momento que as colunas estriadas se tornaram douradas. Junto com o St George's Hall e Nicholas Hall , era uma das principais áreas do palácio para entretenimento. 

Sob a direção de Anatoly Lunacharsky , que se tornou o Comissário do Iluminismo após a Revolução de Outubro , o Armorial Hall foi usado como uma sala de concertos, com capacidade para até 2.000 pessoas.


armorial room, foto de vserg48 em shutterstock.com


Large Throne Room / the drawing room


St George's Hall (também conhecido como o grande salão do Trono) é um dos maiores espaços do do Palácio de Inverno. Está localizado no lado leste do palácio. 

O estilo neoclássico deste grande salão, executado por Giacomo Quarenghi entre 1787 e 1795, foi perdido no fogo de 1837 . Após o incêndio, Vasily Stasov redesenhou completamente o interior em um estilo clássico mais simples. Ele substituiu as colunas de mármore policromado com as de mármore branco cararra. Os tetos pintados originais, que representavam cenas alegóricas, foram completamente perdidos no fogo, e Stasov introduziu um teto liso com enfeites dourados.


Grande salão do trono, foto de Popova Valerya



Primeira duma estatal de 1906: O Salão de São Jorge, que serviu de sala do trono principal do palácio , foi o cenário de muitas das cerimônias mais formais da corte imperial. Mais historicamente, foi o cenário da abertura da Primeira Duma Estatal por Nicholas II , em 1906. O Tsar foi forçado a concordar com o estabelecimento de uma Duma como uma concessão a seu povo na tentativa de evitar a revolução. No entanto, a família Imperial viu como "o fim da autocracia russa". 

Era a primeira vez que os russos comuns haviam sido admitidos no palácio em qualquer número - uma experiência surreal tanto para os camponeses como para a família imperial. 

A irmã do czar, que estava com a família imperial nos degraus do trono, lembrou-se das massas de russos comuns que empacotaram o salão: "Eu fui com minha mãe para a primeira Duma. Lembro-me do grande grupo de deputados dos camponeses E as pessoas da fábrica. Os camponeses pareciam mal-humorados. Mas os trabalhadores eram pior: eles pareciam nos odiar. Lembro-me da angústia nos olhos de Alicky.  O ministro do Tribunal, o Computado Vladimir Frederiks , comentou: "Os Deputados, Eles dão a impressão de uma gangue de criminosos que estão apenas esperando o sinal de se lançar sobre os ministros e cortar a garganta. Nunca mais porei os pés entre essas pessoas ". A Imperatriz viúva notou" o ódio incompreensível ".



A Galeria Militar


A Galeria Militar de 1812 foi criada por Carlo Rossi em 1826 em homenagem a atuação do exército russo nas Guerras Napoleónicas. A Galeria é dividida por duas colunas em três seções; A seção do meio forma o limiar para o St George Hall (sala do trono). 332 retratos dos generais que eram heróis da Guerra de 1812 foram pendurados nas paredes em cinco fileiras. 




No final da Galeria estão  os retratos equestres do Imperador Alexander I e de seus aliados na guerra, Frederick-William III da Prussia e do Imperador da Austria, Francis I.


A inauguração cerimonial da Galeria em 25 de dezembro de 1826 coincidiu com o aniversário da expulsão do exército de Napoleão da Rússia e a ocasião foi marcada por uma marcha dos Regimentos de Cavalaria e Infantaria perante os retratos de seus comandantes durante a Guerra de 1812.


Salão Branco


O Salão Branco, o Salão Dourado, a Sala de Jantar Verde, o Estudio Carmesim, o Boudoir e o Quarto Azul compreendiam os aposentos privados da imperatriz Maria Alexandrovna, consorte do imperador Alexandre II. A decoração dos interiores foi recriada em 1841 por A.P. Briullov. Os quartos privados foram reformados nas décadas de 1850 a 60 de acordo com os desejos da Imperatriz. 




Após as obras de restauração realizadas entre 1950-1960, pelas salas privadas de Maria Alexandrovna podemos ter um vislumbre dos interiores dos quartos privados do palácio da segunda metade do século XIX.



Salão dourado e Estúdio Carmesim


III.2 - O Pequeno Hermitage


- O relógio do pavão

The Peacock Clock (relógio do pavão)  é um autômato grande com três pássaros mecânicos de tamanho natural. Foi fabricado pelo empresário James Cox na 2ª metade do século 18 e através da influência de Grigory Potemkin foi adquirido por Catarina a Grande em 1781. Hoje é uma exibição de destaque nas coleções do Hermitage.



III.4 - O Grande Hermitage


O Corredor de Rafael


Comissionado pela imperatriz Catarina II no final da década de 1780, o "Raphael Loggias" é a cópia exata da Galeria no Palácio do Papa na Cidade do Vaticano. Os afrescos dos corredores abertos do palácio papal foram pintados baseados em esboços de Raphael. As suas cópias feitas em Itália por um grupo de artistas sob a supervisão de Christopher Unterberger ocuparam no Hermitage o lugar na galeria de um edifício separado erguido por Giacomo Quarenghi. Os arcos dos corredores são decorados com cenas de histórias bíblicas, as paredes são cobertas com pinturas com motivos ornamentais.



III.5 - O Novo Hermitage


A última construção na série de estruturas do Museu Imperial foi o "Novo Hermitage". Com uma arquiteutura incomum para São Petersburgo, ele foi projetado específicamente para abrigar coleções de arte. A decisão de construir o Museu Público Imperial foi tomado  por Nicolau I, durante a reconstrução do Palácio de Inverno depois do incêndio devastador de 1837. 


Em maio de 1839, a convite do Imperador, um especialista em arquitetura de museus, o alemão Leo von Klenze, veio à Russia. Ele levou apenas dois meses para criar um projeto. A construção foi desenvolvida entre 1842 e 1851, sob a supervisão Vasily Stasov e depois de sua morte em 1848, pelo seu assistente. Leo von Kremer acompanhava da Alemanha, e vinha de tempos em tempos a São Petersburgo. A inauguração aconteceu em 5 de fevereiro de 1852.

- Os Atlantes


As características do Novo Hermitage construído  no estilo do historicismo são a austeridade e monumentalidade da estrutura e o equilíbrio dos volumes de arquitetura. A entrada do museu é acentuada com um magnífico pórtico apoiado pelas figuras Atlantes cortadas de granito cinza na oficina de Alexander Terebenev. O edifício também está decorado com estátuas  que representam artistas famosos, arquitetos e escultores do passado. Os ornamentos clássicos, renascentistas e barrocos animam as superfícies maciças das fachadas do edifício





As salas do museu foram projetadas de acordo com as coleções a serem exibidas lá; Por exemplo, as salas do primeiro andar chamadas de Skylight Halls, equipadas com a luz superior, abrigavam a Galeria de Pinturas, enquanto as salas no piso térreo, decorados no estilo da arquitetura clássica, abrigavam as coleções de antiguidades e esculturas além de várias bibliotecas.



- Coleção de esculturas gregas

Nessa galeria de esculturas gregas é difícil saber se apreciamos mais os pisos dos salões, seus tetos, suas colunas ou as próprias esculturas. Vejam alguns exemplos.



-  O grande salão Italiano



- O "Vaso Kolyvan"



O Vaso de Kolyvan, encomendado pelo czar Nicolau I , é em estilo neoclássico, mas também lembra a arte dos citas , que viviam na região do Monte Altai na antiguidade.


O vaso foi concebido por Abrhram Mélnikov. 


Foi o então ministro das Finanças, Yegor Kankrin (1774-1845), que autorizou o trabalho de arquitetos e engenheiros que trabalhavam no Museu Hermitage. O trabalho de confecção do vaso durou onze anos, no período de 1823 a 1844.

Seu nome vem da cidade siberiana de Kolyvan ' , onde em fevereiro de 1828 foi extraído bloco de jaspe onde mais tarde foi esculpido vaso. O bloco foi transportado por um trenó com 154 cavalos para o rio Chusovaya ; Lá ele mudou-se para uma barcaça e chegou a São Petersburgo pelo rio.

Foi concluída em 1843, após onze anos de trabalho.


A sala do Hermitage em que ele foi colocado foi concluída depois da colocação do próprio vaso, que de outra forma não teria passado ​​pelos portões de acesso. Ele tem forma elíptica , com o eixo principal de 4,5 metros, a altura de 2,5 metros e pesa 19 toneladas.



IV. - As Coleções do Hermitage


a) Egípcia 

Apesar de ter uma boa coleção de sarcófagos, escritos egípicios, ..., se você tem pouco tempo não demore muito nessas alas. 



b) Grega




c) Esculturas Italianas famosas (Michelangelo e Antonio Canova)


Menino Agachado é único trabalho  do grande pintor e escultor italiano renascentista Michelangelo no Museu Hermitage. É uma escultura de mármore de 54 cm e mostra um garoto, nu e virado para si mesmo, talvez tirando um espinho do pé. Mesmo que a estátua não esteja bem finalizada, características faciais, cabelo e formas do corpo são facilmente reconhecíveis.



Três Graças (Three Graces) de Antonio Canova,  é uma escultura neoclássica , em mármore , das mitológicas  filhas de Zeus - identificadas em algumas gravuras da estátua como, da esquerda para a direita, Euphrosyne , Aglaia e Thalia - que representam juventude / beleza (Thalia), alegria (Euphrosyne) e elegância (Aglaea). As Graças presidiam banquetes e encontros, para encantar os convidados dos deuses. Como tal, elss foram temas históricos de artistas como  Sandro Botticelli e Bertel Thorvaldsen .




Menino agachado, Michelangelo, 1530-1534
Três Graças, Antonio Canova,1813-1816






d) Pinturas da Renascença Italiana

O Hermitage tem uma grande e valiosa coleção de arte da Renascença Italiana. Elas estão distribuidas no  primeiro andar do Antigo Hermitage e na Galeria Italiana do Novo Hermitage. No Museu estão obras de Giorgione, Ticiano, Veronese Leonardo da Vinci, e Rafael entre  outros.


Madona, Leonardo da Vinci, 1490
Magdalena, Ticiano, 1565

e) Arte espanhola

Na galeria espanhola temos presença de Velasquez, El Greco, ...,.


São Pedro e São Paulo, El Greco, 1592
O Almoço,Velazquez, 1617

f) Arte Holandesa

Da arte holandesa temos alguns quadros de Rembrandt, entre eles o maravilhoso "Retorno do Filho Pródigo" (temos post específico), O sacrifício de Isaac e outros. No total são 23 obras de Rembrandt.

O sacrifício de Isaac.

Deus ordenou a Abraão que sacrificasse seu filho Isaac como prova de sua fé (Gênesis 22: 1-13). 

O sacrifício de Isaac, Rembrandt, 1635
Rembrandt captura todo o dramatismo do momento culminante neste terrível sacrifício pretendido. O espanto de Abraão quando o anjo o detê com mão levantada é revelado em seu gesto expressivo e a expressão forte de seu rosto, que quase faz fronteira com a loucura. Vemos um momento de grande tensão emocional, expressado em formas e linhas dinâmicas. O dramaturgo, a forma monumental, o movimento turbulento, os contrastes de luz e sombra são típicos das obras de Rembrandt da década de 1630 e refletem nesta pintura os traços do estilo barroco.

(http://www.hermitagemuseum.org)


g) Arte neoclássica francesa, impressionista e pós-impressionista


A única parte do segundo andar aberta ao público está no Palácio de Inverno. A arte neoclássica francesa , impressionista e pós-impressionista , incluindo obras de Renoir , Monet , Van Gogh e Gauguin , é exibida no canto sudeste. Também apresenta pinturas de Camille Pissarro (Boulevard Montmartre, Paris), Paul Cézanne (Monte Sainte-Victoire), Alfred Sisley , e Degas .

Mulher no Jardim, Monet, 1897
Casa Branca à noite, Van Gogh, 1890


h) Arte Moderna, Alemã e arte do século XX

Arte moderna está exibida no Prédio do Estafe geral. Lá encontram-se peças de Matisse, Picasso, Kandinski, Malevich, Morandi entre outros.



A dança, Matisse, 1910
Abstrato, Kandinski, 1913


V - Como explorar o Hermitage


Para uma visita em que se possa conhecer as construções, a arquitetura do palácio e algumas coleções dos italianos, holandeses e espanhóis, um tempo mínimo de 4 a 5 horas é necessário. Para incluir os impressionostas e outras coleções, tem que ser dois períodos de visitação.



Dica: Compre igresso pela internet e / ou nas máquinas no jardim de entrada do museu. No verãos as filas são imensas e você pode perder de 2 a 3 horas apenas para comprar ingresso.

VI - Fontes / Referências
  • Wikipedia Inglesas - "Hermitage Museum" 
  • Site oficial do Museu - http://www.hermitagemuseum.org
  • The Hermitage - The history os the buildings and collections
  • Fotos: www.hermitagemuseum.org / wikimedia commons / shutterstock / HistoriacomGosto
  • Notas e fotos de viagem - HistóriacomGosto


2 comentários:

  1. Se ficarmos um minuto em frente de cada peça demoraremos sete anos para concluir a visita.

    ResponderExcluir
  2. Para mais de 3 milhões de peças do acervo do museu, a conta é essa mesmo.

    ResponderExcluir