sábado, 10 de junho de 2017

Período Clássico - A música de Mozart

I. - Wolfgang Amadeus Mozart



Um dos maiores gênios musicais da humanidade, cuja habilidade e talento precoce continuam a ser objeto de inúmeros estudos, Wolfgang Amadeus Mozart nasceu em Salzburgo em 27 de janeiro de 1756.



Mozart mostrou uma habilidade musical prodigiosa desde sua infância. Já competente nos instrumentos de teclado e no violino, começou a compor aos cinco anos de idade, e passou a se apresentar para a realeza europeia, maravilhando a todos com seu talento precoce. Chegando à adolescência, foi contratado como músico da corte em Salzburgo, porém as limitações da vida musical na cidade o impeliram a buscar um novo cargo em outras cortes, mas sem sucesso. Ao visitar Viena em 1781 com seu patrão, desentendeu-se com ele e solicitou desligamento, optando por ficar na capital, onde, ao longo do resto de sua vida, conquistou fama, porém pouca estabilidade financeira. Seus últimos anos viram surgir algumas de suas sinfonias, concertos e óperas mais conhecidos, além de seu Requiem. As circunstâncias de sua morte prematura deram origem a diversas lendas. Deixou uma esposa, Constanze, e dois filhos.

Foi autor de mais de seiscentas obras, muitas delas referenciais na música sinfônica, concertante, operística, coral, pianística e camerística. Sua produção foi louvada por todos os críticos de sua época, embora muitos a considerassem excessivamente complexa e difícil, e estendeu sua influência sobre vários outros compositores ao longo de todo o século XIX e início do século XX. Hoje Mozart é visto pela crítica especializada como um dos maiores compositores do ocidente, conseguiu conquistar grande prestígio mesmo entre os leigos, e sua imagem se tornou um ícone popular.

Mozart faleceu em Viena em 5 de dezembro de 1791.


II. - Infância, Patronos, Amigos e Influência Musical 


Nesse post não daremos enfoque na vida particular de Mozart, por já ser extremamente explorada, mas vamos observar mais a sua conexão músical.

a) Infância




Assim que o talento de Mozart foi reconhecido, isso em seus primeiros anos de vida, o pai, músico experiente e violinista afamado, abandonou suas pretensões pedagógicas e compositivas para dedicar-se à educação do filho e de sua irmã Nannerl, que também cedo manifestou extraordinários dotes musicais, demonstrando porém clara preferência por Wolfgang e considerando-o um milagre divino. Parece certo que boa parte do profissionalismo que Wolfgang veio a exibir em sua maturidade se deveu à rigorosa disciplina imposta pelo seu pai. O seu aprendizado musical começou com a idade de quatro anos.


b) Patronos e Amigos


Mozart teve muitos mecenas em sua carreira, e alguns deles lhe devotaram legítima amizade. O primeiro protetor que teve ao chegar a Viena foi a Condessa von Thun, frequentando assiduamente sua casa. 


Viena em meados do século XVIII, pintura de Canaletto no Kunsteritch Museum


Outros amigos da nobreza foram Karl Lichnowsky, August von Hatzfeld, Gottfried von Jacquin e sobretudo o Barão Gottfried van Swieten, de todos talvez o mais leal e que possivelmente influiu na obra do amigo despertando-lhe um interesse pela fuga

Entre os compositores e outros profissionais do mundo artístico desenvolveu uma amizade mais íntima, embora às vezes efêmera, com Johann Christian BachThomas LinleyChristian CannabichIgnaz Holzbauer, Michael Puchberg, que o socorreu em diversas crises financeiras, os atores Joseph Lange, Gottlieb Stephanie e Friedrich Schröder, os instrumentistas Anton Stadler e Joseph Leutgeb, e os membros da companhia teatral de Emanuel Schikaneder, e ainda  o grande compositor Joseph Haydn. 


c) Haydn 


Mozart conheceu Haydn aos 12 anos, passando a nutrir por ele uma admiração que durou toda a vida. Haydn considerava Mozart o maior compositor do seu tempo. Em 1785, Mozart dedicou-lhe seis quartetos de cordas, "fruto de um grande e laborioso esforço", que se contam entre a suas mais inspiradas criações. O último é o famoso Quarteto das Dissonâncias K. 465.

Sua amizade com Joseph Haydn se tornou intensa, ainda que não convivessem regularmente. Entretanto desenvolveram profunda admiração um pelo outro, e a obra de Mozart revela influência do compositor mais velho.

d) O Clacissismo musical (Haydn, Mozart e Beethoven)



Depois de um início influenciado pela estética Rococó, Mozart desenvolveu a maior parte de sua carreira durante o período da história da música conhecido como Classicismo, assim chamado em vista de seu equilíbrio e perfeição formal. 

Sem o conhecimento de relíquias musicais da Antiguidade, ao contrário do que acontecia com as outras artes, o Classicismo musical foi em larga medida uma evolução contínua, sem quebras bruscas, a partir de raízes barrocas e rococós. Gluck tentou atribuir ao coro, no campo da ópera, uma importância equivalente ao que ele possuía na tragédia clássica, mas os principais gêneros musicais consolidados no Classicismo, a sinfonia, a sonata e o quarteto de cordas, tiveram precursores desde o início do século XVIII.  

Junto com Haydn, foi Mozart quem os levou a um alto nível de excelência e consistência. Apesar de os primeiros compositores desses gêneros terem sido invariavelmente nomes do segundo ou terceiro escalão, sem eles a música instrumental de Mozart seria impensável.

Seguindo Haydn e Mozart, veio Beethoven que também aprimorou as formas musicais existentes. Os três foram os nomes mais importantes do Clacissismo musical. 


III. - A Música de Mozart



a)  Visão geral - Sonata como estrutura básica



Mozart adotou, como todos os compositores clássicos, a forma-sonata como estrutura básica para a grande maioria dos movimentos mais importantes de suas composições. Esta forma tivera origens nas estruturas bipartidas de Domenico Scarlatti, que foram desenvolvidas por Carl Philipp Emanuel Bach e levadas a um estado de consolidação por Joseph Haydn.


A Forma-Sonata é uma forma musical de grande escala, que começou a ser utilizada na metade do Século XVIII, que foi o início do Período Clássico. É considerada a forma mais esquematizada e ampla para uma composição, geralmente usada nos primeiros movimentos de sonatas, sinfonias, concertos, quartetos, etc., podendo também aparecer nos demais movimentos, mais usualmente no último. Muitos concluem em dizer que a forma-sonata pode ser dividida em 3 partes: a exposição, o desenvolvimento e a re-exposição



b) Sinfonias


Mozart deu, logo após Joseph Haydn, a maior contribuição para a escrita sinfônica. Trabalhou no gênero ao longo de quase toda a sua carreira, as primeiras datando de 1764 e as últimas de 1788. As primeiras evidenciam a influência de compositores como Johann Christian Bach, Karl Friedrich Abel e outros que encontrou em suas viagens internacionais, mesclando estilos italianos e germânicos.


Sinfonia é uma palavra de origem italiana e seu significado mais divulgado e conhecido, consolidado a partir do classicismo se refere a uma peça para orquestra construída na forma-sonata.


- Sinfonia no 40




                                   Sinfonia No 40 - Orquestra filarmônica de Berlim


A Sinfonia  No. 40 acima foi  apresentada pela Filarmônica de Berlim, conduzida pelo Maestro Sir Simon Rattle, em 23 de Agosto de 2013, no Berliner Philharmoniker's Digital Concert Hall.

c) Concertos


Concerto é uma composição musical escrita para um ou mais instrumentos solistas, cujo acompanhamento pode ser feito por uma orquestra ou um piano.  Modernamente o termo tem sido empregado para qualquer espetáculo musical, nos mais diferentes formatos.

As óperas e os concertos são as formas que mais revelam a evolução da escrita orquestral de Mozart nos anos vienenses, e ambos compartilham de diversas características técnicas, expressivas e formais no tratamento da parte solista em relação à orquestra e na adaptação da escrita às capacidades dos intérpretes, como foi descrito acima em relação às árias operísticas. Mas ao contrário de uma situação dramática teatral, o concerto não está atado a um libreto nem à sequência canônica ária-recitativo-ária-recitativo-etc que caracteriza a ópera.



d) Ópera

Entre suas composições mais importantes estão suas óperas, que incorporaram elementos de tradições bem diferenciadas: o singspiel alemão e a opera seria e opera buffa italianas. Entretanto, não se pode tomar essas categorias demasiado ao pé da letra, havendo muitas obras com traços comuns a todas. Mesmo algumas de suas opere buffe incluem elementos dramáticos de grande peso na trama e no caráter da música, a ponto de ele descrever Don Giovanni, por exemplo, como um "drama jocoso".


Um equilíbrio só foi conseguido numa etapa posterior da evolução de seu pensamento musical e do entendimento do caráter e psicologia dos personagens, resultando nas três óperas que escreveu sobre libretos de Lorenzo da Ponte, As Bodas de Fígaro, Don Giovanni e Così fan tutte, na fase final de sua carreira. Em todas elas os personagens burgueses ou cômicos recebem um tratamento musical e caracterológico de idêntica importância ao dos personagens heroicos e nobres.


- Ópera Flauta Mágica - segunda ária da Rainha da Noite




                         Diana Damrau - Ópera Flauta Mágica, segunda ária da Rainha da Noite

Suas duas óperas derradeiras, A Flauta Mágica e A Clemência de Tito, também de grande valor, deixam intrigantes questões pendentes para os críticos, que especulam sobre aonde as inovações que ele introduzia poderiam tê-lo levado se tivesse vivido mais. A Flauta Mágica é o melhor exemplo do interesse de Mozart na criação de uma ópera nacional germânica, tanto em forma como em expressão, empregando o alemão como língua do libreto e realizando uma concepção expandida da forma do singspiel (subgênero da ópera).

Diana Damrau, é uma Soprano dramático alemã, da Ópera Estatal de Baviera, conhecida por suas interpretações nas óperas de Mozart, Mahler e Richard Strauss.

e) Música Sacra



Suas principais obras sacras, as missas, seguem os princípios da escrita sinfônica, mas são compostas com grande variedade de forças, desde um simples quarteto vocal acompanhado pelo órgão, até peças que exigem uma grande orquestra, um grupo de solistas e um coro, que se combinam de múltiplas formas em estruturas de grande amplitude que podem extrapolar os usos litúrgicos, como é o caso da Grande Missa em dó menor. Seus principais modelos diretos foram as missas de Michael Haydn, Johann Eberlin e seu pai, Leopold. São aceitas atualmente como autênticas dezessete missas de Mozart, algumas na forma da missa breve e outras na da missa solene, além da missa de defuntos, o Réquiem.


f) Música de Câmara


Música de câmara é a música erudita composta para um pequeno grupo de instrumentos ou vozes que tradicionalmente podiam acomodar-se nas câmaras de um palácio.


Ao longo de toda a sua carreira Mozart produziu música de câmara, que era um elemento central em sua vida doméstica, não somente para apresentações públicas. Ela compõe cerca de um quinto do total de suas obras, abrangendo uma grande variedade de formatos, desde quartetos e quintetos de cordas, passando por sonatas para teclado, trios, duos, divertimentos, cassações, danças e outros mais.



g) Cordas


Seus primeiros quartetos de cordas mostram a influência de Giovanni Battista Sammartini e das trio-sonatas do norte italiano no uso de melodias curtas, na organização dos movimentos, na unidade de clave e no estilo homofônico predominante. Esses quartetos primitivos também exibem similaridades com a forma do divertimento, e o interesse principal recai nas duas vozes superiores. A forma-sonata é embrionária, com desenvolvimentos curtos e repetições. 

O grupo de seis quartetos produzido entre 1772 e 1773 já é mais coeso, têm características camerísticas mais definidas e formam um ciclo lógico de tonalidades, todos têm o mesmo número de movimentos e as vozes inferiores já são mais dinâmicas, possibilitando a criação de um efeito concertante. O grupo seguinte de seis quartetos foi produzido em Viena após contato com a obra de Joseph Haydn, de quem trazem forte influência.


- Eine Kleine Nachtmusik - Uma pequena serenata noturna;


"Muitos reconhecem esta composição como uma das mais famosas de Mozart, principalmente o primeiro movimento Allegro, que vocês podem escutar no vídeo abaixo. Mozart tinha um espirito jovem e a música dele parece refletir justamente isso. Você escuta este primeiro movimento e ele fica na sua cabeça, logo sem nos darmos conta a estamos assoviando. Mozart com certeza foi um dos primeiros compositores pop, se é que isso existe". (www.culturaclassica.com.br)



                           Música apresentada pela orquestra "Les Dissonances"

"Les Dissonances" é uma orquestra  européia de música clássica criada em 2004 pelo violinista David Grimal. A orquestra é constituída por músicos franceses e europeus: solistas, músicos de orquestra, e jovens músicos.  
Atualmente "Les Dissonances" estão residentes na Ópera de Dijon desde 2008. 

e) Piano


Mozart era um pianista consumado, um dos maiores virtuoses de todos os tempos. Escreveu para o pianoforte, um instrumento de menor potência e sustentação sonora do que o piano romântico. Suas sonatas para pianoforte e violino mostram a evolução do conceito dessa forma. Historicamente, até  1750 o violino tinha o papel principal, cabendo ao teclado uma atuação de suporte harmônico. Por volta de 1750 o teclado assumiu a predominância, tanto que muitas obras nessa forma dão ao violino uma participação ad libitum, podendo ser omitido sem grande prejuízo.




- Sonata para piano número 11 - K331, Movimento #3 - Marcha Turca




                                     Sonata K331 por Olga Jegunova

Olga Jegunova é uma pianista clássica nascida na Letònia e agora radicada em Londres.



IV. - Referências

A maior parte do texto adaptado / resumido de:
Wikipedia - Wolfgang Amadeus Mozart

http://euterpe.blog.br/analise-de-obra/a-musica-mais-famosa-de-mozart-eine-kleine-nachtmusik

www.culturaclassica.com.br




V. - Outras publicações da série



Música Barroca - A Música de Johann Sebastian Bach

A música clássica de Franz Joseph Haydn
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/11/a-musica-classica-de-franz-joseph-haydn.html

Período Clássico - A música de Mozart
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2017/06/periodo-classico-musica-de-mozart.html


Música Romântica - A Música de Chopin
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/10/chopin-musica-do-periodo-romantico.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário