terça-feira, 27 de junho de 2017

A arquitetura de Santiago Calatrava

I. - Calatrava




Santiago Pevsner Calatrava Valls (Valência, 28 de julho de 1951) é um arquiteto e engenheiro espanhol cujo trabalho tem se tornado bastante popular nas últimas décadas.

Calatrava licenciou-se em arquitetura em 1974. Mudou-se para Zurique para estudar engenharia civil, licenciando-se em 1979 e doutorando-se em 1981.

Entre os mais de 50 prêmios e reconhecimentos que recebeu, destacam-se  o Prémio Príncipe das Astúrias para as Artes 1999,  o Prêmio Nacional de Arquitectura 2005 , e o Prémio de Arquitectura Europeia 2015. Atualmente tem escritórios em Nova York, Doha e Zurich.



II. O estilo



É difícil estabelecer um perfil da arquitetura de Calatrava devido a sua complexidade e heterodoxia que são difíceis de traduzir em fórmulas e que combinam uma presença visual marcante com conhecimentos tecnológicos sólidos.

Frequentemente inspirado por formas orgânicas como esqueletos, seus trabalhos elevaram o desenho de certas obras de engenharia a novos patamares. Calatrava gosta de evidenciar o movimento das forças que animam as construções. Introduz soluções móveis e configurações dinâmicas, frequentemente assimétricas. Talvez por isso seja classificado como um dos mais ativos "estruturistas" contemporâneos. 

Também gosta de dotar suas realizações de conotações organicistas e surrealistas. Inspira-se primordialmente nos seres da natureza (antropomórficos, harmonias e equilíbrios dos esqueletos ou das formas naturais, articulações-rótulas, tendões-cabos); assume muitos riscos na busca de um estilo próprio que se baseia na natureza. Em sua curta trajetória, já tem obras suficientemente importantes para ser reconhecido. 

Dotado de um grande talento para o desenho, também se ocupou de pesquisas paralelas à sua arquitetura, tanto no campo do desenho de objetos como no da escultura.


III. - Cinco obras de Calatrava


a) Torre de Montjuic (1989 a 1992)


A Torre de Montjuïc é uma torre de telecomunicações, obra de Santiago Calatrava construída entre 1989 e 1992 na vila olímpica de Montjuïc, Barcelona,  para os Jogos Olímpicos de 1992.

Esta torre de aço possui cerca de 136 metros de altura e um desenho inovador com respeito à maioria das torres de comunicação, já que sua forma estrutural não está baseada em um tronco vertical, mas sim em uma silhueta que lembra a um atleta ajoelhando-se para recolher uma medalha. Também conhecida como "Torre Calatrava", sua base está recoberta de trencadís, em clara referência a uma das características construtivas de Gaudí.
A própria orientação da torre faz com que ela atue como um relógio de sol ao projetar a sombra de sua agulha central sobre a praça da Europa (plaça d'Europa).
Ademais, apresenta a novidade técnica de incluir uma plataforma circular com os pratos de transmissão de dados.


Trencadís (termo catalão) é um tipo de aplicação ornamental de mosaico a partir de fragmentos de cerâmica, basicamente, azulejos - em conjunto com argamassa ; característica muito comum em arquitetura modernista catalã .

b) Cidade das Artes e das Ciencia em Valencia (1996 a 1998)



A Cidade das Artes e das Ciências (em valenciano: Ciutat de les Arts i les Ciències) é um complexo arquitetónico, cultural e de entretenimento existente na cidade de Valência, na Espanha.




Desenhado por Calatrava e Félix Candela, o projeto começou a ser executado em Julho de 1996 e foi inaugurado em 16 de Abril de 1998. O último componente da Cidade, "El Palau de les Artes Reina Sofía", foi inaugurado em 9 de Outubro de 2005.
foto de bright em Shutterstock.com



c) Estação de Trem em Lisboa - "Estação do Oriente" (1998)


A Estação do Oriente ( Estação do Oriente ), também conhecida como Estação do Oriente Intermodal é uma das estações ferroviárias mais importantes em Lisboa , Portugal 


foto de Martin Gómez Tagle, em wikimedia commons
As obras dessa estação terminaram em 1998, para utilização  como parte da Expo '98 , no Parque das Nações . O complexo inclui uma estação de Metrô nos dois primeiros níveis, um espaço comercial e uma estação ferroviária nos próximos dois níveis. O edifício é coberto por um grande telhado de vidro.


 Mais detalhes em http://www.factoriaurbana.com/transportes/estaciones.php?id=4

d) Ponte em Jerusalém (2008)



A "ponte de cordas" ou a "ponte do trilho de luz" de Jerusalém , é uma ponte estaiada em Jerusalém , Israel . A estrutura foi projetada por Calatrava e é usada pela Linha Vermelha da Jerusalém Light Rail , que começou a funcionar em 19 de agosto de 2011. 


Incorporado na ponte há uma ponte de vidro para pedestre os que permite cruzarem de Kiryat Moshe para a Estação Rodoviária Central de Jerusalém . A ponte, que custou cerca de US $ 70 milhões, foi inaugurada em 25 de junho de 2008.



Calatrava primeiro visitou Israel para a abertura de uma exposição de suas obras em Haifa em 1997. Durante essa visita, ele foi convidado a projetar uma ponte pedestre em Petah Tikva , que foi inaugurada em 2005. Foi convidado para Jerusalém pelo engenheiro da cidade Uri Shetrit e ex-prefeito Ehud Olmert ,  que, de acordo com Calatrava, desafiou-o a "fazer a mais bela ponte contemporânea"
foto de Little Savage, wikimedia commons


e) Museu do Amanhã - Rio de Janeiro (2015)




O Museu do Amanhã está no município do Rio de Janeiro, Brasil. O projeto de Calatrava, foi erguido ao lado da Praça Mauá, na zona portuária (mais precisamente no Píer Mauá). Sua construção teve o apoio da Fundação Roberto Marinho e teve o custo total de cerca de 230 milhões de reais. O edifício foi inaugurado em 17 de dezembro de 2015

O Museu do Amanhã foi erguido no píer em meio a uma grande área verde. São cerca de 30 mil metros quadrados, com jardins, espelhos d'água, ciclovia e área de lazer. O prédio tem 15 mil m² e arquitetura sustentável. O projeto arquitetônico, concebido por Calatrava, utiliza recursos naturais do local - como, por exemplo, a água da Baía de Guanabara, utilizada na climatização do interior do museu e reutilizada no espelho d´água. Calatrava disse que se inspirou nas bromélias do Jardim Botânico do Rio de Janeiro ao projetar o edifício.


fonte agencia Brasil, wikimedia commons
O projeto do Museu do Amanhã foi totalmente inspirado pela paisagem da zona portuária e da Baía de Guanabara. Como parte integrante do Projeto Porto Maravilha, foi feita a demolição do Elevado da Perimetral no intuito de revitalizar a região portuária do Rio. No telhado da construção, grandes estruturas de aço, que se movimentam como asas, servem de base para placas de captação de energia solar. 


A pretensão do Museu do Amanhã é inaugurar uma nova geração de museus de ciências no mundo,  com uma concepção que o posiciona como o primeiro museu global de "terceira geração". 

A "primeira geração" de museus é voltada para os vestígios do passado, como os museus de história natural. A "segunda geração" busca difundir as evidências do presente, como os museus de ciência e tecnologia. A "terceira geração", destina-se a expor as mudanças, perguntas e a exploração de possibilidades futuras para a humanidade. É neste último conceito que se encaixa o museu carioca.


IV. Críticas

Embora seja um ponto comum o reconhecimento ao estilo inovador de Calatrava, críticas ao seu trabalho também surgiram em função de algumas deficiências apresentadas em alguns de seus projetos como os de Bilbao, Veneza e Oviedo.  

As obras de Calatrava foram criticadas, principalmente por quatro razões


  1. Orçamentos elevados ( que também tendem a aumentar durante a construção)
  2. Custos de manutenção elevados.
  3. Semelhanças entre as obras.
  4. Deficiências estruturais e funcionais graves em casos que tiveram que ser ajustadas posteriormente a sua inauguração


V. - Prêmios

No final a balança pende sem nenhuma dúvida para o lado do arquiteto. Ganhador de inúmeros prêmios (>50 prêmios internacionais)  podemos destacar para Calatrava os seguintes maiores:

- Medalha de Ouro do IStructE (1992)

- Prémio Príncipe das Astúrias (1999)
- Medalha de Ouro da AIA (2005)
- European prize for architeture (2015)

Calatrava recebeu também inúmeras homenagens de várias faculdades de engenharia e arquitetura ao redor do mundo pelo seu trabalho inovador. Contabilizamos cerca de 19 títulos honorários concedidos a Santiago Calatrava por várias universidades ao redor do mundo.


VI. - Referências

Nenhum comentário:

Postar um comentário