segunda-feira, 22 de maio de 2017

A Hagadá de Sarajevo

I. - Hagadá



Hagadá ou agadá, é o texto utilizado para os serviços da noite do Pessach (Passagem ou Páscoa), contendo a leitura da história da libertação do povo de Israel, do Egito, conforme é descrito no Livro do Êxodo. Por celebrar esta libertação, o Pessach é a mais importante das festas judaicas, e cada judeu tem por mandamento narrar às futuras gerações esta libertação. A Hagadá contêm a narrativa desta libertação, as orações, canções e provérbios judaicos que acompanham esta festividade. Na verdade, não existe um texto único de Hagadá: os diversos ramos do judaísmo têm suas variantes, conforme a orientação do rabino de cada sinagoga. Também corporações e instituições podem ter seu texto particular de Hagadá.



Exemplo de Hagadá:



Um manuscrito do início do século XV copiado por volta de 1430 em script quadrado Ashkenazic. Suas decorações contêm painéis iniciais de palavras, algumas bordas totalmente enquadradas e duas miniaturas de página inteira. A miniatura de página inteira é a adaptação da iconografia cristã medieval para fins de ilustrar a importância do estudo e da discussão na celebração do "Seder de Pessach". Cada figura (homens e mulheres) está segurando um livro, presumivelmente uma Haggadah, e está envolvido em discutir o êxodo do Egito. O texto desta página começa no Salmo 79 verso 6. Original: Darmstadt, Hessische Landes-und Hochschulbibliotek

















II. - A Hagadá de Sarajevo



A Hagadá de Sarajevo  esteve  muitas vezes perto de ser destruída,   entretanto, ela tem resistido quase que milagrosamente ao longo do tempo. Os historiadores acreditam que ela foi tirada de Barcelona por judeus espanhóis quando foram expulsos pelo Edito de Granada em 1492. Notas marginais indicam que a Hagadá estava na Itália no século XVI. 


"Encomendado para ser um presente de casamento, o manuscrito é de um requinte extraordinário, tendo sido confeccionado para caber na palma da mão. É composto por 109 páginas de pergaminho branco, cuidadosamente manuscritas e decoradas com iluminuras em ouro e bronze e cores vivas, como vermelho e azul. Produzida de acordo com as tradições sefaraditas, em estilo gótico-italiano predominante à época, na Catalunha, a Hagadá contém o brasão do Reino de Aragão.


O documento, cujo texto foi inserido em painéis com iniciais decoradas, possui 34 miniaturas de página inteira. Estas representam uma variedade de assuntos, incluindo a Criação, Moisés no Monte Sinai com as Tábuas da Lei, além de ilustrações estilizadas do Grande Templo e de uma sinagoga espanhola. Marcas de seu uso em sedarim passados podem ser vistas em alguma de suas páginas. São manchas de vinho, anotações de adultos e rabiscos de crianças." (www.Morasha.com.br)


A imagem representa dois hebreus celebrando a Páscoa



Ela finalmente foi vendida para o Museu Nacional em Sarajevo em 1894 por Joseph Kohen onde permanece até hoje.



Histórico:



Durante a Segunda Guerra Mundial , o manuscrito foi escondida dos nazistas e oposicionistas sérvios pelo bibliotecário chefe do museu, Dervis Korkut, que arriscou a própria vida, levando ilegalmente a Hagadá para fora de Sarajevo.


Korkut deu-o a um clérigo muçulmano em Zenica , onde ele a escondeu sob as tábuas de madeira do assoalho da mesquita ou casa de um muçulmano. Em 1957, ele publicou um fac-símile do Hagadá por Sándor Scheiber , diretor do Seminário Rabínico de Budapeste . 

Em 1992, durante a Guerra da Bósnia , o manuscrito sobreviveu a um assalto no museu e foi descoberto no chão durante o inquérito policial pelo inspetor local Fahrudin, com muitos outros objetos que os ladrões achavam que não eram valiosos. 

Moisés diante da sarça ardente e
a vara de Aarão transformada em serpente
Míriam e  hebréias festejando a passagem do mar vermelho

Durante o cerco de Sarajevo pelas forças sérvias da Bósnia (o mais longo cerco da história moderna) ela sobreviveu em um cofre subterrâneo de um banco. Havia rumores de que o governo a tinha vendido para comprar armas; O Presidente da Bósnia mostrou o manuscrito para a comunidade Seder em 1995 negando o boato.

Mais tarde, o manuscrito foi restaurado através de uma campanha especial financiado pela Organização das Nações Unidas e da comunidade judaica da Bósnia em 2001, e tornou-se permanentemente exposta no museu desde dezembro de 2002.

Em 1985 uma reprodução foi impressa em Liubliana , com 5000 cópias. Em maio de 2006, a editora Sarajevo rábico Ltd., anunciou outra publicação de 613 exemplares do Hagadá em pergaminho artesanal  para recriar fielmente o visual do original do século XIV, referindo-se aos 613 preceitos judaicos .  


Moisés
Cerimônia

III. - Menções especiais


Livro


É no romance "Memórias do livro" , de Geraldine Brooks (2008), que uma história misturando ficção e realidade é contada, recriando todo o percurso da Hagadá desde as suas origens na Catalunha até os dias de hoje no Museu de Sarajevo.  O livro é muito bem escrito e a história desperta um grande interesse e você pára de ler quando termina. Recomendo.  Geraldine ganhou o prêmio Pulitzer de 2006 com o livro o Senhor March.


Revista

A história de Dervis Korkut, que salvou o livro dos nazistas, também foi contada por Geraldine Brooks em um artigo escrito na revista The New Yorker.  O artigo também conta a história do jovem judeu, Mira Papo, que Korkut e sua esposa esconderam dos nazistas, enquanto guardava a Hagadá. Em uma reviravolta do destino, o velho Mira Papo, vivendo em Israel, protegia a filha de Korkut durante a guerra da Bósnia da década de 1990.

Filme

O manuscrito é brevemente mencionado no filme "Welcome to Sarajevo" de Michael Winterbottom. 

Presente Oficial

Uma cópia desta Hagadá foi dada a Tony Blair quando ele era primeiro-ministro do Reino Unido, pelo Grão Mufti da Bósnia e Herzegovina, Mustafa Ceric, durante uma cerimônia de Fé e Fundação em dezembro de 2011. 

O Mufti apresentou o presente como um símbolo da cooperação inter-religiosa e respeito, enfatizando as duas ocasiões em que o livro judaico foi  protegido por muçulmanos. 

Outra cópia foi entregue a um representante do Rabinato Chefe de Israel durante o encontro inter-religioso "Viver juntos é o futuro", organizado em Sarajevo pela Comunidade de Sant'Egidio .




IV.- Referências

- Hagadá e Hagada de Sarajevo em wikipedia

- Hagada de Sarjevo em www.morasha.com.br

- Livro: "Memórias do Livro", Geraldine Brooks




Um comentário:

  1. Muito interessante a saga desse livro de importância impar para os judeus quando celebram o Passover (Páscoa Judaica)

    ResponderExcluir