sexta-feira, 3 de março de 2017

Edvard Munch, o precursor do Expressionismo

I - Expressionismo



O Expressionismo foi um movimento artístico e cultural de vanguarda surgido na Alemanha no início do século XX, perspassando os campos artísticos da arquitetura, artes plásticas, literatura, música, cinema, teatro, dança e fotografia. Manifestou-se inicialmente através da pintura.
Mais do que meramente um estilo com características em comum, o Expressionismo é sinónimo de um amplo movimento heterogêneo, de uma atitude e de uma nova forma de entender a arte, que aglutinou diversos artistas de várias tendências, formações e níveis intelectuais. (Wikipédia)


Melancolia de Edvard Munch, 1898, 



O movimento surge como uma reação ao positivismo associado aos movimentos impressionista e naturalista, propondo uma arte pessoal e intuitiva, onde predominasse a visão interior do artista – a "expressão" – em oposição à mera observação da realidade – a "impressão".

O expressionismo compreende a deformação da realidade para expressar de forma subjectiva a natureza e o ser humano, dando primazia à expressão de sentimentos em relação à simples descrição objetiva da realidade. (Wikipedia)



O expressionismo surge com vigor entre os anos de 1905 a 1920.


II - As várias escolas


O expressionismo não foi um movimento homogêneo, coexistindo vários polos artísticos com uma grande diversidade estilística, como a corrente modernista (Munch), fauvista (Rouault), cubista e futurista (Die Brücke), surrealista (Klee), ou a abstracta (Kandinsky). Embora o seu maior polo de difusão se encontrasse na Alemanha, o expressionismo manifestou-se também por meio de artistas provenientes de outras partes da Europa como Modigliani, Chagall, Soutine ou Permeke, e no continente americano como, por exemplo, os mexicanos Orozco, Rivera, Siqueiros e o brasileiro Portinari.

Na pintura, a maior inspiração veio do pós-impressionismo, especialmente da obra de três artistas: 



a) Paul Cézanne, que começou um processo de desfragmentação da realidade em formas geométricas que terminou no cubismo, reduzindo as formas a cilindros, cones e esferas, e dissolvendo o volume a partir dos pontos mais essenciais da composição. Colocava a cor por camadas, imbricando umas cores com outras, sem necessidade de linhas, trabalhando com manchas. 

b) Paul Gauguin, que contribuiu com uma nova concepção entre o plano pictórico e a profundeza do quadro, através de cores planas e arbitrárias, que têm um valor simbólico e decorativo, com cenas de difícil classificação, situadas entre a realidade e um mundo onírico e mágico. A sua estadia em Taiti provocou que a sua obra derivasse em um certo primitivismo, com influência da arte da Oceania, refletindo o mundo interior do artista em vez de imitar a realidade.





c) Vincent Van Gogh, que elaborava a sua obra segundo critérios de exaltação anímica, caracterizando-se pela falta de perspectiva, a instabilidade dos objetos e cores, roçando a arbitrariedade, sem imitar a realidade, mas provêm do interior do artista. Devido à sua frágil saúde mental, as suas obras são reflexo do seu estado de ânimo, depressivo e torturado, refletindo-se em obras de pinceladas sinuosas e cores violentas.

(Referência: wikipedia)





III - Edvard Munch 



Edvard Munch, nasceu em Loten, Noruega em 1863 e faleceu em 1944. Além de pintor ele foi também gravador. Autor de obras como o "O Grito" e "A Menina Doente" foi o precursor e um dos maiores representantes da corrente expressionista do século XX.

Filho de um médico do Exército, obsessivamente religioso, sofreu sucessivas perdas que marcaram sua vida. Ficou órfão de mãe com cinco anos de idade. Sem a mãe, apegou-se à irmã Sophie, um ano mais velha, que era sua alegria, até que ela pegou tuberculose e morreu com 15 anos.

Ficou então aos cuidados de uma tia, que o matriculou na Escola de Artes e Ofícios, na cidade de Kristiania, atual Oslo. Aluno do mestre Christian Krogh começou a pintar seguindo os moldes naturalistas.


Já na idade adulta Munch perdeu o pai, que morreu de um ataque cardíaco, e viu outra irmã, esquizofrênica, ser internada em um hospital psiquiátrico, onde passaria toda a vida. 


a) Influências



Em 1881, aos 18 anos, Munch matriculou-se na Escola Real de Arte e Design de Kristiania, cujo um dos fundadores era seu parente Jacob Munch. Seus professores foram o escultor Júlio Middelthun e o naturalista pintor Christian Krohg. Naquele ano, Munch demonstrou sua rápida absorção de seu treinamento na Academia em seus primeiros retratos, incluindo um de seu pai e seu primeiro auto-retrato. Em 1883, Munch participou da sua primeira exposição pública e partilhou um estúdio com outros estudantes. 


Durante estes primeiros anos, Munch experimentou muitos estilos, incluindo Naturalismo e Impressionismo. Algumas primeiras obras são reminiscências de Manet.  

O trabalho de Munch viria a ser fortemente influenciado pelas características de sua vida particular. Além da mãe e irmã que morreram quando Munch era adolescente, a irmã mais nova sofria de doença mental e uma outra irmã morreu logo depois de casar. O próprio Edvard estava constantemente doente. 



Oslo (1881 a 1889)


Munch vivia sempre em conflito com seu pai. Primeiro por ter abandonado o curso de engenharia para estudar artes. Depois pelas suas pinturas irreverentes e pelas suas companhias. 

O seu pai desaprovava fortemente o seu relacionamento com Hans Jæger , o niilista local que vivia com o código "uma paixão por destruir é também uma paixão criativa" e que defendeu o suicídio como o melhor caminho para a liberdade.  Munch sofreu a sua influência anti-establishment. 

Naquele tempo, ao contrário de muitos dos outros boêmios, Munch ainda era respeitoso com as mulheres, bem como reservado e bem-educado, Mas ele começou a ceder a tendência de  bebidas  e brigas de seu círculo. Ele estava perturbado pela revolução sexual que estava acontecendo na época e pelas mulheres independentes ao seu redor.



Hans Jaeger, 1889
Na pintura Munch concluiu que o idioma impressionista não permitia expressão suficiente. Ele sentiu a necessidade de ir mais fundo e explorar situações cheias de conteúdo emocional e energia expressiva. Sob o mandamento de Jæger de que Munch deveria "escrever sua vida", significando que Munch deveria explorar seu próprio estado emocional e psicológico, o jovem artista iniciou um período de reflexão e auto-exame, registrando seus pensamentos no "diário da alma". 

Esta perspectiva mais profunda ajudou a movê-lo para uma nova visão de sua arte. Ele escreveu que sua pintura "A Criança Doente" (1885), baseada na morte de sua irmã, foi sua primeira "pintura de alma", sua primeira ruptura com o impressionismo. A pintura recebeu uma resposta negativa dos críticos e de sua família, e causou outra "violenta explosão de indignação moral" da comunidade.

Com "A Menina Doente" (Das Kränke Mädchen, 1885) inicia uma temática que surgiria como uma linha mestra em todo o seu caminho artístico.  

Em 1889, Munch apresentou sua primeira exibição individual incluindo quase todas as suas obras até à data. O reconhecimento que recebeu levou a uma bolsa de estudo de dois anos para estudar em Paris sob o pintor francês Léon Bonnat

Paris (1889)

Em Paris, apesar de não gostar das aulas, ele gostava de visitar os museus e então descobre a obra de Vincent van Gogh e Paul Gauguin, e indubitavelmente o seu estilo passa então por grandes mudanças.

Oslo (1890 a 1892)


Quando em dezembro de 1889 seu pai morre, deixando a família de Munch desamparada, ele volta para casa e toma um grande empréstimo de um rico colecionador norueguês e assume a responsabilidade financeira por sua família a partir de então.

Depois de adulto a vida de Munch continuou conturbarda por relações amorosas conflituosas, alcoolismo e viagens incessantes não se fixando em nenhum lugar. 



Berlim (1892 a 1896)



Em 1892 um convite para expor em Berlim torna-se um momento crucial da sua carreira e da história da arte alemã.  Entretanto, suas pinturas provocaram uma grande controvérsia e após uma semana a exposição foi encerrada. Munch ficou satisfeito com a "grande comoção", e escreveu em uma carta: "Nunca tive uma hora tão divertida - é incrível que algo tão inocente como a pintura tenha criado tal agitação".

Garotas na Ponte, 1899
Em Berlim, Munch se envolveu em um círculo internacional de escritores, artistas e críticos, incluindo o dramaturgo sueco e intelectual principal August Strindberg, que pintou em 1892. Durante seus quatro anos em Berlim, Munch esboçou a maioria das idéias que compreenderiam seu trabalho principal , "O Friso da Vida" , projetado primeiramente para a ilustração do livro mas expressado mais tarde em pinturas

Em 1893 Munch pinta o seu quadro mais famoso, "O Grito", onde ele considera que ele atingiu o estágio desejado de estudo da alma ou estudo do seu próprio ser.

Munch retorna a Paris em 1896 e Oslo em 1897 onde vai trabalhando em temas relacionados com o "Friso da Vida" até o início do século XX.

Referência: Wikipedia Inglesa.

Copenhague (1908 )


Em 1908, depois de um período de crise profunda e bebida pesada e constante, Munch atingiu um ponto de ruptura emocional que necessitou de um período de hospitalização. Após sua recuperação, houve uma mudança significativa na aparência de sua arte, apesar da freqüente revisão do "friso de vida". Com pouca exceção, Uma qualidade lírica e um humor mais calmo são evidentes em sua pintura e cada vez mais se voltou para temas e assuntos extraídos do mundo externo: paisagens e estudos de figura - nus, banhistas - incluindo imagens heróicas do trabalho rural e urbano.

Características de Munch

- As vezes distorce o personagem para caracterizar a emoção como no Grito.
- Trabalhava diversas vezes sobre um mesmo tema como em O Beijo, Garotas na Ponte.
- Pinta as emoções levadas ao extremo como dor, medo, angústia como Melancolia.
- Usa cores fortes como Gauguin e traços grossos como Van Gogh em o Grito.
- Usa a pintura para expressar as emoções da sua vida como, doenças, relacionamentos amorosos mal sucedidos, medo, loucura, ...,. Exemplo "A Menina Doente".
- Pintou muitos nus para mostrar sua independencia das regras da época.
- Tinha alguma dificuldade com o relacionamento feminino mostrado em Mulher Vampira, A dança da Vida, ...,.


IV -  Exemplos de Pinturas de Edvard Munch



"Quero mais do que uma mera fotografia da natureza, não quero pintar belas fotos para pendurar nas paredes dos salões, quero criar, ou pelo menos lançar as bases de uma arte que dá algo à humanidade. Arte que prende e se engaja Uma arte criada da parte mais íntima do coração. " (EM)


IV.1 - Primeira fase - "Menina Doente" e "Inger na Praia".


"A Menina Doente": Munch lutou para lidar com as emoções profundas que sentiu ao perder sua irmã. A pintura mostra a irmã Sophie de Munch momentos antes de sua morte com o que se acredita ser sua tia Karen ao lado dela - uma mulher de cabelos escuros. A pintura mostra Sophie que senta-se em uma cadeira que olha fixamente a cortina. 

A mulher está dominada pelo sofrimento e está segurando a mão de Sophie. A mulher ao lado de Sophie é incapaz de olhar para ela presumivelmente porque ela não pode suportar ver  Sophie em seu estado atual.

Munch várias vezes retornou ao tema em seu trabalho. No total, completou seis pinturas a óleo sobre a morte de sua irmã. 




A Menina Doente
Inger na Praia

Inger na Praia:  A crítica da época recebeu essa obra muito mal. Dizia-se que era demasiado óbvia, que a modelo não tinha expressão, com cores irreais, ...,. Críticas posteriores já apontam esse trabalho como uma tendência de Munch em simplificar a forma para ressaltar os sentimentos como solidão, melancolia e angústia,



IV.2 - A pintura como expressão do sentimento - "O Grito" e série "Friso da Vida"


a) "O Grito"



"Essencialmente este quadro famoso é autobiográfico, uma construção expressionista baseada na experiência real de Munch de um grito que atravessa a natureza enquanto anda, depois que seus dois companheiros, vistos no fundo, o deixaram. Adaptando o fato de que o som deve ter sido ouvido em um momento em que sua mente estava em um estado anormal, Munch trasnforma-o em um estilo que se empurrado para extremos pode destruir a integridade humana. 

Como observamos anteriormente, as curvas fluidas do "art nouveau" representam uma fusão linear subjetiva imposta à natureza.  Mas o homem é parte da natureza, e a absorção em tal totalidade liquida o indivíduo.  Aqui, no entanto, ao descrever sua própria experiência mórbida, ele permitiu que a figura de primeiro plano se distorcesse pelo fluxo subjetivado da natureza;" (edvardmunch.org)




"Vários fatos indicam que Munch estava ciente do perigo de uma arte desse tipo para um humanista neurótico como ele. Ele logo abandonou o estilo e raramente submeteu uma figura de primeiro plano a esse tipo de distorção radical e sistemática." (edvardmunch.org)


b)  Friso da Vida - (Cinzas / Separação / Dança da Vida / ...)



- Cinzas


"A imagem retrata, assim como nos outros quadros do pintor, uma grande expressividade de sentimentos, sobretudo os negativos, como a dor, a angústia e a solidão. Nele, as duas personagens, ao levarem as mãos à cabeça, expressam sua reação de desespero, possivelmente frente a um cenário de destruição. Essa reação é evidente, principalmente, na mulher que tem seus cabelos soltos e em desalinho, olhar triste e com o vestido branco (símbolo de pureza) entreaberto (símbolo de sedução), deixando aparecer uma peça vermelha (símbolo de paixão) por baixo. Esse é o primeiro elemento a ser percebido no quadro, principalmente devido ao contraste entre seu vestido e sua coloração de pele e cabelos mais vívida em contrapartida com a pouca luminosidade do resto da composição. 

O homem que está no foco de interesse inferior-esquerdo, com vestes negras e de costas para o resto da cena, é percebido depois da mulher, que está de pé mais a direita na cena, próxima a ele e com parte de seus cabelos esvoaçados sobre ele".(www.valiteratura.blogspot.com)


Cinzas

Separação


Vez por outra em seus quadros da década de 1890, Munch usou variações das mesmas imagens - a coluna de luz no mar, a mocinha loira na praia, a mulher sensual em vermelho, a mulher mais velha de preto, o infeliz, Etc. Mistura esses personangens  em várias combinações para simbolizar diferentes condições humanas e relações. 

Aqui ele ilustra a tristeza do homem em se separar de seu amor - o fim da história iniciada em O beijo . Como em outros casos, o quadro consiste em dois componentes, o objetivo em primeiro plano, em que o protagonista pode ser frontal e ativo, como aqui, ou em perfil e contemplativo, e o subjetivo em segundo plano, a imagem do passado em sua lembrança



O homem apaixonado parece estar prestes a avançar, no futuro, Mas seu caminho é bloqueado pela planta carmesim, mais uma vez possivelmente concebido como uma mandrágora, com seu simbolismo de amor e morte. Ele parece preso no presente. Além disso, os longos cabelos da menina flutuam pelo mundo e acariciam sua cabeça, amarrando-o a sua visão, não lhe permitindo escapar de sua memória.



Por meio da fusão linear as curvas fluidas da menina são assimiladas no plano, padrão art nouveau da linha costeira, criando uma visão unificada e feminizada do passado. A figura do homem, por outro lado, com sua silhueta preta e contornos mais circunstanciais, une-se à planta sangrenta para formar um padrão mais articulado. (edvardmunch.org)



Separação
Dança da Vida



A Dança da Vida

Este último pode ser mais difícil de interpretar. A vida não é de fato uma dança e a metáfora é muito vaga para dar muita indicação do que se pretende. A imagem, no entanto, parece ser uma versão mais complexa da sua relação com Tulla Larsen. Inicia com uma mulher inocente de branco à esquerda, uma mulher sensual dançando com o homem, e uma mulher angustiada de preto à direita. Todos as três se assemelham a Tulla Larsen; As meninas que dançam no fundo podem também representá-la. O homem em primeiro plano parece ser Munch.


É possível construir uma explicação razoável da cena se lembrarmos que às vezes Munch usou a profundidade do espaço de imagem como uma escala de tempo, movendo-se do passado distante no fundo até o presente no primeiro plano adjacente à imagem.

Aplicando este princípio aqui, o impulso inicial para a dança da vida vem do sol com sua coluna de luz que atravessa o mar. Na frente disto, longe na praia está uma menina solitária, à espera de um parceiro evoluindo por um namoro até um relacionamento mais sério. (edvardmunch.org)

IV.3 - A Mulher e os nus na pintura de Munch


Criado em um ambiente religioso opressivo com uma severa vigilancia de seu pai, com várias tragédias na sua vida e saúde fraca, Munch viveu na sua juventude numa época de liberação da mulher que somada às suas péssimas experiências pessoais fez com que pintasse a mulher de uma maneira meio estranha, como em “Mulher Vampiro”. Além disso ele pintou dezenas de quadros de nus femininos e masculino onde parecia apenas querer mostrar poder quebrar os tabus e retratar o corpo humano de qualquer maneira sem preconceito.  


IV.4 -  Série Madura


Em 1911 realizou-se a competição final para a decoração das grandes paredes do Auditório daUniversidade de Oslo entre Munch e Emanuel Vigeland . O episódio é conhecido como "Aula Controvérsia". Em 1914 Munch foi  finalmente comissionado para decorar o Auditório e o trabalho foi terminado em 1916. Este trabalho principal na pintura monumental norueguesa inclui 11 pinturas que cobrem 223 m2 . O Sol, História e Alma Mater são os principais trabalhos nesta seqüência. Munch declarou: "Eu queria que as decorações formassem um mundo completo e independente de idéias, e eu queria que sua expressão visual fosse distintamente norueguesa e universalmente humana. "Em 2014 foi sugerido que as pinturas de Aula têm um valor de pelo menos 500 milhões de coroas".


- Sol (1909)



O Sol é talvez a maior conquista da pintura mural moderna. Estruturalmente simétrica, ocupa o enorme espaço da frente do auditório da Universidade de Oslo, dominando o tamanho, a frontalidade absoluta e o poder da imagem. 



Iluminado pelos raios de sol são a água do oceano, as rochas nuas de uma paisagem do norte, e uma faixa delgada de verde verdejante que separava a terra e o mar. Uma clara linha reta do horizonte divide as águas do céu. O grande sol é omnipresente, brilhando dos céus sobre a terra e sobre o mar, com seus raios chegando a toda a eternidade. Inumano em si, é a fonte de toda a vida. (edvardmunch.org)





- Alma Mater (1909 a 1916)


Alma Mater é uma das pinturas que Munch fez para o Auditório da Universidade de Oslo. Ele fez duas versões principais do mesmo tema e como não conseguiu decidir-se qual era a melhor, enquanto ele viveu as duas ficaram em exposição na Universidade. Posteriormente a sua morte uma delas foi deslocada para o Museu de Munch em Oslo.



- Building Workers in the Snow (1920)


Em sua fase mais madura Munch pintou vários quadros retratando a vida de operários rurais e urbanos. 


Munch continuou trabalhando até a sua morte em 1944. Quando ele faleceu, ele deixou toda a sua obra para o Governo Norueguês. Foram mais de 1.500 obras produzidas. Munch se preocupava muito mais com sua arte do que com ganhos financeiros que pudessem ser obtidos por ela.

V - Referências


Wikipedia - Expressionismo / Edvard Munch

site: edvardmunch.org

site: www.edvard-munch.org / Edvard-Munch.org



Nenhum comentário:

Postar um comentário