quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O Saltério de Ingeborg

I - A Rainha Ingeborg


Ingeborg da Dinamarca  (1175 de - 29 de julho 1236) foi uma rainha francesa. Ela era filha de Valdemar I da Dinamarca e Sofia de Minsk , e esposa de Filipe II de França.


a) A Conturbada história de seu casamento




Ingeborg casou-se com Philip II Augusto da França em 15 de agosto de 1193, após a morte da primeira esposa de Philip, Isabelle de Hainaut (d. 1190). Seu casamento trouxe uma grande dote de seu irmão Knut VI, rei da Dinamarca.  Stephen de Tournai a descreveu como " muito gentil, jovem de idade, mas velha da sabedoria ."No casamento, ela foi renomeada Isambour .

No dia seguinte ao seu casamento com Ingeborg, o Rei Philip mudou de idéia e tentou mandá-la de volta à Dinamarca. Indignado, Ingeborg fugiu para um convento em Soissons , de onde ela protestou ao Papa Celestino III .

Philip II construiu uma falsa árvore genealógica apresentando laços de cosanguinidade dele com Ingborg para justificar a anulação. Ingeborg, através de assessores dinamarqueses provaram que o documento  era falso e o Papa Celestino III declarou a anulação inválida e proibiu o rei Philip II de contrair novo matrimônio, mas ele não obedeceu. Philip se casou com Agnes de Merania , uma herdeira alemã, em junho de 1196. No entanto, em 1198, o novo Papa Inocêncio III declarou que este novo casamento era nulo porque o casamento anterior ainda era válido.

Ingeborg passou os próximos 20 anos na prisão virtual em vários castelos franceses. Em uma etapa, ela passou mais de uma década no castelo de Étampes ao sudoeste de Paris. Seu irmão Knud VI e seus assessores trabalharam continuamente contra a anulação. Fontes contemporâneas indicam também que muitos dos conselheiros de Philip na França apoiaram Ingeborg.

Como o rei não estava em conformidade, o Papa Inocêncio III colocou a França sob interdição de 1199 até setembro de 1200, quando Philip prometeu que iria obedecer. Mais tarde, ele renegou a promessa. Agnes morreu no ano seguinte.

Em 1201 Philip pediu ao Papa para declarar seus filhos legítimos e o Papa cumpriu para ganhar o seu apoio político. No entanto, mais tarde naquele ano Philip novamente pediu a anulação, alegando que Ingeborg tinha tentado enfeitiçar ele na noite do casamento e assim o fez incapaz de consumar o casamento. Então, ele pediu o divórcio em razão da bruxaria . Esta tentativa falhou também. Ingeborg afirmava a consumação.

Philip permaneceu tentando a anulação e em busca de outra esposa. Ele ainda teve outro filho natural Pierre Charlot, mas desistiu de casar com amãe do seu filho devido a todos os impasses com a Igreja.

  

Reconciliação



Em 1212 , João da Inglaterra foi declarado indigno de ser rei e deposto do trono.

Em janeiro de 1213 , um conselho foi realizada em Soissons , os bispos ingleses convidaram o rei Philippe II e seu filho Luís de França para tomar o trono em nome dos direitos da esposa de Luís, Branca de Castela . Nesta ocasião, Philippe II declarou estar vivendo com Ingeborg a qual  ele restaurou os seus direitos como esposa e rainha. A rainha tinha 38 anos, ela tinha passado 19 anos na prisão.

Philip reconciliou-se com Ingeborg portanto em 1213, não por altruísmo , mas porque queria justificar suas pretensões ao trono do Reino da Inglaterra.  Mais tarde, em seu leito de morte, em 1223 ele pediu a seu filho Louis VIII para tratá-la bem o que foi feito por ele e por seu filho Louis IX.

Desde que ela recuperou sua qualidade de Rainha ela recebeu as homenagens de Branca de Castelha e de Louis VIII que lhe apresentaram seus filhos. Ela foi testemunha da regência de Branca de Castilha e dos dez pprimeiros anos do reinado de Louis IX.  


II - O livro dos Salmos e Livro das horas


Um saltério é um livro contendo o Livro dos Salmos (150 Salmos), muitas vezes com prática devocional  cristã, para ser usada como nos Mosteiros e Conventos para o Ofício Divino na recitação das Horas Canônicas. 

Até o despertar da Idade Média os saltérios eram os livros mais amplamente divulgados e propriedade de leigos ricos. Eles eram comumente usados para o aprendizado da leitura. Estes livros eram ricamente iluminados e incluem alguns dos exemplos mais espetaculares de cultura e da arte medieval. Ele também é usado na cultura judaica.

O Saltério da Igreja Católica foi desenvolvido no Ocidente no início do século VIII. E foi amplamente ilustrado sendo que o Saltério é um dos mais importantes e permanentes manuscritos carolíngios que exerceu uma grande influência sobre o desenvolvimento posterior do povo na Dinastia Carolíngia, de Carlos Magno. Na Idade Média os saltérios estavam entre os mais populares tipos de livros de iluminuras, só rivalizado pelo Livro dos Evangelhos, do qual assumiu progressivamente como o tipo de manuscrito escolhido para as iluminuras de luxo. A Partir do final do século XI tornou-se particularmente difundido e popular o livro, pois Salmos eram recitados pelo Clero em vários pontos da Liturgia, assim os saltérios eram uma parte essencial do Material litúrgico-devocional nas grandes Igrejas.


III - O Saltério de Ingeborg


Saltério de Ingeborg é um manuscrito medieval ricamente iluminado, criado para a rainha Ingeborg da Dinamarca em torno de 1200, e que está depositado atualmente no Museu Condé, em ChantillyFrança.
O nome do autor das iluminuras é desconhecido, sendo chamado atualmente de O Mestre do Saltério de Ingeborg, cuja mão foi reconhecida em outros manuscritos da época. Parece que outro artista também trabalhou na obra. O estilo das ilustrações representa uma mudança na tradição românica de ilustrações altamente estilizadas em favor de uma representação mais naturalista do mundo. Outras características notáveis são o modelado tridimensional das figuras, suas proporções inovadoras e sua grande expressividade, além do intenso colorido, que já atualizam o estilo gótico que se tornava dominante na Europa.
saltério de pergaminho inicia com uma grande iluminura em torno da letra B da palavra Beatus, e seguem-se os 150 salmos ricamente decorados ao longo de 400 páginas de texto e imagens. Livros como esse constituem precursores dos Livros de Horas que se tornariam populares entre a nobreza mais tarde. 
As 51 iluminuras ilustram diversas cenas da vida de Abraão e Moisés, da história de Jessé, do Juízo Final e da vida de Cristo e da Virgem Maria, além de imagens para a lenda de Teófilo, importante acréscimo que está entre as primeiras fontes imagéticas para a história de Fausto que se consolidaria séculos depois 


A àrvore de Jessé, genealogia de Jesus


Sepultamento e Ressurreição
O sacrifício de Isaac
Adoração dos Reis Magos


IV - O Museu Condé - Chantily

foto Wikipedia


O Museu Condé possui uma excepcional coleção de pinturas, em especial de retratos, compondo uma galeria da história da França através da imagem de alguns de seus personagens mais importantes, como Francisco I, Napoleão, Montaigne, e outros personagens da história européia, como Ana Bolena e Lutero. Dos artistas mais notáveis presentes na coleção estão Jean Clouet, Rafael, Antoine Watteau, Antoine-Jean Gros, Ingres, Nicolas de Largillière, Guercino, François Gérard, Eugène Delacroix, Camille Corot e muitos outros.



Também guarda uma preciosa coleção de desenhos, manuscritos e documentos diversos, onde se destacam o Codex de Chantilly, as Très riches Heures du duc de Berry, célebre manuscrito iluminado da Idade Média, pintado pelos irmãos Limbourg para Jean de Berry (1340-1416), um dos filhos de Carlos V, e os igualmente afamados Saltério de Ingeborg e as Heures d'Étienne Chevalier, de Jean Fouquet.


IV -  Veja Também

O livro de Kells (800 d.c.) -
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/06/o-livro-de-kells.html

A Crônica de Nuremberg (1493) - 
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/11/a-cronica-de-nuremberg.html

V - Referências

Todo o texto compilado da Wikipedia .

Todas as fotos obtidas na Wikipedia e na Web Gallery of Art


Nenhum comentário:

Postar um comentário