terça-feira, 19 de abril de 2016

A Balsa da Medusa - Géricault

I - Histórico


A Balsa da Medusa é uma pintura a óleo sobre tela, realizada entre 1818 e 1819 pelo pintor e litógrafo romântico francês Théodore Géricault (1791-1824).

Seu título original dado por Géricault em sua primeira apresentação, é "Palco de um Naufrágio". Esse quadro de grandes dimensões ( 491 cm de altura e 716 cm de largura), representa um episódio trágico na história da marinha francesa: o afundamento da fragata Medusa, que encalhou em um banco de areia ao largo da costa da atual Mauritânia, em 02 de julho de 1816. 




Pelo menos 147 pessoas se jogaram  na superfície da água, prendendo-se a uma jangada improvisada construída com material da fragata. Desses, apenas quinze embarcaram em 17 de julho a bordo do Argus, um barco que veio  resgatá-los. 

Dos quinze, cinco pessoas morreram logo após a sua chegada em Saint-Louis, Senegal, depois de terem suportado fome, desidratação, loucura e até mesmo canibalismo.

O evento se tornou um escândalo em escala internacional, em parte porque um capitão francês que servia a monarquia restaurada recentemente, foi considerado responsável pelo desastre, devido à sua incompetência.

II- Fundamento Histórico



Em 1815, houve a segunda restauração da monarquia com o retorno de Luís XVIII ao trono da França. Os britânicos então entregam o Senegal para França pelo Tratado de Paris. Em 17 de junho de 1816, a fragata Medusa parte da ilha de Aix, para o porto senegalês de St. Louis.


Sua missão é ir endossar essa restituição. Ela leva uma frota composta por três outros barcos. A bordo estão 400 passageiros, incluindo o coronel Julien Schmaltz, governador do Senegal, acompanhado por sua esposa, a rainha e sua filha, assim como cientistas, soldados e colonos.

O comandante Hugues Duroy de Chaumareys, um visconde que voltava do exílio, foi nomeado capitão da Medusa apesar do fato de que ele não navegava havia mais de vinte anos. Querendo chegar à frente dos outros três navios, a fragata se desvia do seu curso e, assim, deixa o percurso planejado. 

Em 02 de julho de 1816 a Medusa encalhou na Banc d'Arguin, distando 160 quilômetros da costa da Mauritânia. A equipe construiu uma jangada com longarinas (montada por cordas, em que são pregadas tábuas que formam uma passagem escorregadia e instável) para aliviar a fragata de seus produtos pesados.

A Operação de desencalhe foi inútil: Vários danos ocorrem em 05 de julho e o mar começa a torna-se bravio, fazendo necessária a evacuação: 

- Dezessete marinheiros permanecem a bordo da fragata para tentar trazê-la de volta em segurança. 

- 233 passageiros, incluindo Chaumareys, Schmaltz e sua família embarcaram em seis canoas e barcos para ganhar o continente que estava a 95 km de distância. 

- 149 marinheiros e soldados, incluindo uma mulher, são empilhados na balsa improvisada não planejada para transportar pessoas. Incapaz de realizar qualquer manobra, a balsa é amarrada em quatro canoas e barcos a remos. Ao longo de vinte metros de largura e sete de largura, ela corre o risco de ser esmagada quando totalmente carregado. Apesar disso os oficiais responsáveis ​​decidem partir.


O abandono


O comandante  Chaumareys decidiu abandonar à sua sorte os passageiros da balsa, com suas parcas rações. Assume o comando o aspirante de primeira classe Jean-Daniel Coudein. As rações são apenas  um pacote de biscoitos, consumido no primeiro dia, dois barris de água fresca e seis barris de vinho.



A situação  se deteriora rapidamente: Os náufragos, mergulhados no medo, lutam e acabam por derrubar os seus barris  de água doce no oceano, restando apenas os barris de vinho para saciar sua sede. No sétimo dia, existem apenas 27 sobreviventes, metade deles agonizando. Fome, raiva, desilusão, delírio etílico, fizeram com que  alguns desesperados saltassem para a água ou se envolvessem em atos de canibalismo para sobreviverem.



Os oficiais decidiram jogar os feridos para o mar para manter as rações de vinho para os homens saudáveis. Após treze dias, em 17 de julho de 1816, a balsa foi descoberta pelo barco Argus , embora nenhum esforço especial tenha sido feito para recuperá-la . Ela levou a bordo quinze sobreviventes, que após tanto desespero são suspeitos de terem matando uns aos outros jogando ao mar ou até mesmo de terem cometidos atos de canibalismo . 

A maioria dos que estavam na balsa inicialmente morreram de fome ou se lançaram para a água movidos pelo desespero. Quatro ou cinco homens resgatados, morreram  dentro de dias a bordo do Argus. De acordo com o crítico Jonathan Miles, a infelicidade vivida por estes homens na balsa do Medusa atingiu a "fronteira da existência humana". Enlouquecidos, reclusos e com fome, eles mataram aqueles que se rebelevam, comeram seus companheiros mortos e mataram os mais fracos.  No total, o afundamento causou a morte de mais de 150 pessoas.

Dos outros barcos que partiram separados,  alguns conseguiram chegar  a ilha de Saint-Louis, enquanto outros encalharam ao longo da costa e perderam a tripulação por causa do calor e da falta de alimentos. 

Quando a Marinha britânica encontrou a fragata Medusa quarenta e dois dias mais tarde, apenas três dos dezessete marinheiros que permaneceram a bordo estavam vivos.


O Julgamento


Este incidente foi um embaraço para a monarquia recém-restaurado: A incompetência manifesta do comandante de Chaumareys revela muito bem que a sua nomeação foi apenas devido a sua relação com o poder.


O assunto tornou-se um escândalo na política francesa e funcionários do governo tentaram encobri-lo. Em sua corte marcial em Port de Rochefort em 1817 Chaumareys foi julgado por cinco acusações, foi absolvido de abandonar o seu esquadrão, de não conseguir voltar a flutuar com seu navio e de abandonar a balsa. No entanto, ele foi considerado culpado de navegação incompetente e complacente e de abandonar o Méduse antes de todos os seus passageiros terem sido retirados. Mesmo que este veredicto o expunha à pena de morte, Chaumareys foi condenado a apenas três anos na cadeia.  

A corte marcial foi amplamente criticada de ser fraldada e em 1818 o governador Schmaltz foi forçado a renunciar. Uma Lei posteriormente publicada passou a assegurar que as promoções no Exército francês fossem baseadas no mérito.


III - Géricault




Théodore Géricault, nasceu em 26 de setembro de 1791, em Rouen e morreu em 26 de janeiro de 1824, em Paris. Ele foi um pintor, escultor, desenhista e litógrafo francês que incorporou o romantismo em sua arte. Sua vida curta e atormentada gerou muitos mitos.

Nascido em Rouen , França, de família rica, Géricault foi educado na tradição inglesa de arte desportiva por Carle Vernet e na composição  clássica por Pierre-Narcisse Guérin , um classicista rigoroso que desaprovava o temperamento impulsivo do seu aluno ainda que reconhecesse o seu talento. Géricault logo deixou a sala de aula, optando por estudar no Louvre, onde em 1810-1815 copiava pinturas de Rubens , Ticiano , Velázquez e Rembrandt. Durante este período no Louvre ele descobriu uma vitalidade que sentia falta na escola predominante do Neoclassicismo.  Grande parte do seu tempo foi gasto em Versailles , onde encontrou os estábulos do palácio abertos para ele, e onde ele ganhou o seu conhecimento da anatomia e da ação de cavalos.

A primeira grande obra de Géricault, "Um caçador", foi exposta no Salão de Paris de 1812, e revelou a influência do estilo de Rubens e um interesse na representação dos assuntos contemporâneos. Este sucesso inicial foi seguido por uma mudança de direção: para os próximos  anos Géricault produziu uma série de pequenos estudos de cavalos e cavaleiros. 


Uma viagem para Florença , Roma e Nápoles (1816-1817), motivado em parte pelo desejo de fugir de um envolvimento romântico com sua tia, acendeu um fascínio com Michelangelo.


Em 1817 Gericault troca Roma por Paris. Ele desenvolveu uma admiração particular por Antoine-Gros. Delacroix, seu contemporãneo explica que Gericault também teve a admiração de Gros. "Este falava com entusiasmo e respeitava-o, ele era muito grato a seu talento, apesar de seus dois estilos serem diferentes". Especialmente nas representações de cavalos  Gros foi  mestre de Gericault. 



Em 1819 um novo salão de exposição no Louvre abre as suas inscrições. Géricault quer alcançar um trabalho de sucesso. Buscando inspiração nos jornais, ele descobre  o "caso do Medusa", um enorme desastre marítimo que a monarquia restaurada tentou sufocar.


Estupefato com a repercussão na mídia a respeito do naufrágio, Gericault pensou que a realização de um quadro sobre o evento contribuiria para estabelecer sua reputação. 

Depois de decidir realizar o quadro ele fez várias pesquisas se encontrando com dois dos sobreviventes e o relato deles influenciou enormemente a tonalidade final do quadro.

A Balsa da Medusa retrata o  último estágio da tragédia que durou treze dias.

IV - Referências


Quadro - Museu do Louvre
Fotografia - Wikipedia - Wikimedia Commons - 
Texto - Wikipedia francesa - Le Radeau de la Méduse / Théodore Géricault









Um comentário:

  1. Excelente! agradeço pela contribuição das informações detalhadas da Obra desse extraordinário pintor francês Théodore Géricault, enaltecendo sim, com brilhantismo, a história da arte.

    ResponderExcluir