quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Conheça Havana - Cuba: Uma história, um povo, uma cidade

I - Cuba - Uma história para conhecer

Vista do Capitólio ao fundo e Teatro de Havana em primeiro plano

Visitar Havana é como fazer uma viagem no tempo para 50 anos atrás. Do período de dominação espanhola até a revolução  de Fidel, a Havana de hoje reflete a encruzilhada do sistema que melhorou a qualidade de vida mínima da população, garantindo saúde, educação e comida, mas não é capaz de realizar o anseio de liberdade, realização individual e reconhecimento do mérito das pessoas. Além disso, os anos de embargo econômico associados a uma baixa eficiência do aproveitamento dos recursos naturais trazem para a população de forma geral uma escassez no acesso aos bens primários de alimentação, moradia e manufaturados básicos.


Entretanto, a visita a Havana é um passeio agradável sobretudo pela oportunidade de conhecer uma cidade com bela arquitetura colonial espanhola, com uma história política fascinante e sobretudo pelo contato com seu povo alegre, educado e simples.





Carros antigos bem conservados - Aluga-se para passeios de 01 hora



II - O período espanhol


Cuba foi das primeiras terras exploradas por Colombo na sua viagem de descobrimento. Aqui ele chegou em outubro de 1492 e encontrou a terra habitada pelos índios Guanajatabey, Siboney e Taínos.  Os primeiros eram coletores que habitavam cavernas, os siboneys eram caçadores e pescadores e os taínos agricultores e pescadores.

A colonização da ilha se iniciou com o desembarque de Diego Velázquez em 1510 onde fundou a ilha de Baracoa. Nesse mesmo ano a Espanha criava a Capitania-geral de Cuba. 

Devido a exploração dos colonizadores, já em 1550, os indígenas nativos tinham sido praticamente aniquilados pelo trabalho forçado e por doenças. 


Embora não encontrando ouro na região, os espanhóis continuaram  atraídos para a ilha de Cuba,  devido a sua localização estratégica, que a tornava uma base ideal para as explorações e conquistas espanholas de outros territórios. Além disso, Cuba transformou-se rapidamente em um ponto de tráfico de mercadorias, atraindo Piratas e toda espécie de comerciantes desonestos.

A monocultura de açúcar e tabaco foi então a fonte de exploração econômica implantada pelos espanhóis na ilha. 


No século 18 surge uma aristocracia crioula, formada por pessoas nascidas em Cuba mas de ascendência espanhola. Nesse período comecam a surgir as belas casas e igrejas de arquitetura espanhola.


Catedral de São Cristovão




No início do século 19 houve grande expansão na industria de açúcar cubana, graças a crescente demanda pelo produto na europa e na américa. O crescimento só foi possível pelo trabalho dos escravos trazidos da áfrica. Cerca de 1 milhão de escravos foram levados a cuba e por volta de 1830 os negros africanos perfaziam mais da metade da população local. Cuba tornou-se o maior produtor mundial de açúcar, superando o Haiti. 



Em 1868, Carlos Céspede, dono de largas terras promoveu a libertação de seus escravos e convocou os cubanos a se rebelarem contra os espanhóis, lançando o "Grito de Yara" declarando a independência cubana. A guerra durou dez anos e embora tenha terminado com a capitulação dos rebeldes houve o ganho da abolição oficial da escravatura em 1886. Cuba foi uma das  últimas colônias americanas a abolir a escravidão.  




III - A primeira independência e a influência americana


Após o fim da primeiro conflito pela tentativa de independencia em 1878, o clima de descontentamento continuou e em 1892 José Marti, fundou o partido revolucionário cubano. A guerra foi retomada em 1895. Em fevereiro de 1898, os americanos entraram na guerra e em 03 de julho a marinha americana derrotou a espanhola com a finalidade de participar do processo de paz e garantir o seus interesses na região. 


Réplica do Capitólio - Antiga sede do congresso / Atual Museu de História

Como uma nação influente, os Estados Unidos negociaram termos da independência de Cuba com os espanhóis sem a participação do povo nativo. Posteriormente em fevereiro de 1901 a assembleia constituinte aprovou a primeira constituição cubana e Tomás Estrada Palma foi eleito presidente. Entretanto os delegados foram obrigados a aceitar a emenda Platt, formulada pelo senador americano Orville Platt e incluída no projeto de lei no congresso. A emenda sancionava o direito dos Estados Unidos de intervir nos assuntos de cuba e supervisionar as relações de comercio entre Cuba e outras nações. Além disso os Estados Unidos conquistaram o direito de montar bases navais na ilha como a de Guantánamo que o país mantem até hoje. 


O primeiro período de independência foi caracterizado pela corrupção, regime repressivo e baixas condições de vida da população. É desse período entretanto a construção ou reforma da maioria dos prédios público, como o teatro de Havana, o palácio presidencial, ...,.





       Teatro de Havana

       Localizado no Passeio del Prado, O Gran Teatro de Havana tem sido a casa do ballet nacional cubano. A construção atual começou em 1908 e foi aberta em 1915 com uma sessão de ópera.
 Antes com o nome de teatro Gran Tacón, foi somente em 1985 que ele recebeu o nome de Gran Teatro de Havana.

      Estação Ferroviária









 Museu da Revolução (ex. Palácio do Governo)

O antigo palácio Presidencial foi projetado pelo arquiteto  cubano Carlos Mauri e pelo arquiteto belga Paul Bela. O palácio foi inaugurado em 1920 pelo Presidente Mario Garcia Menocal. Manteve-se como Palácio Presindecial até 1959 quando houve a revolução. O edifício tem arquitetura neo-clássica e foi decorado pela Tiffany & Co. de Nova York.


Nesse período os Presidentes e militares submissos ao esquema americano desfrutavam de uma vida de mordomias enquanto o resto do país padecia da falta de um plano voltado para o seu desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida da população.


IV - A ditadura de Fulgêncio Batista


Nos primeiros quarenta anos, vários governos se sucederam no poder, sempre caracterizados pela corrupção e repressão aos manifestos pouplares. O Coronel Fulgencio Batista assumiu o governo pela primeira vez em 1940. Permaneceu por quatro anos e foi derrotado em seguida pelo Dr. Garu San Martin. Em 1952, Fulgêncio Batista tomou o poder através de um golpe militar alegando má gestão do governo e iniciando uma ditadura militar que durou até o ano de 1959. 

Esse período foi marcado por uma imensa degradação dos costumes já que Cuba tornara-se um quintal de prazer dos Estados Unidos, e imperava  o jogo, as drogas e a prostituição. 

V - A Revolução Cubana e o Socialismo

Praça da Revolução - Monumento a José Marti



Fidel Castro tentou derrubar a ditadura já em 1953. Sem lograr exito ele foi preso e posteriormente anistiado em maio de 1955. Como seus artigos e manifestos eram todos censurados, logo dois meses depois de sua libertação ele se exilou no México onde começou a preparação dos homens que iriam liderar a insurreição cubana. Foi nesse período que conheceu  Che Guevara e de lá iniciaram os preparativos para a tomada da ilha.

Em novembro de 1956 Fidel Castro desembarcou em Cuba em um total de 82 revolucionários, entre eles Che Guevara. Tres dias depois eles foram atacados pelas tropas de Fulgêncio Batista e poucos conseguiram escapar com vida. O grupo sobrevivente localizou-se em Sierra Maestra de onde passaram a desenvolver sua guerrilha. 

Devido ás precárias condições de vida da população, pouco a pouco o grupo foi ganhando a adesão do povo e após dois anos de lutas o exercito de Fidel estava pronto para tomar o governo.

Em 24 de fevereiro de 1958, os rebeldes conseguem um transmissor e colocam a Rádio Rebelde no ar. Em agosto, Che e Cienfuegos, comandando  uma coluna de guerrilheiros,  deixam o leste para conquistar a região central. Em 31 de dezembro após a tomada de Santa Clara, Fulgencio Batista abandona o país. Em 01 de janeiro de 1959 Che e Cienfuegos tomam Havana e Fidel toma Santiago de Cuba. Finalmente em 08 de janeiro de 1959 Fidel entra triunfalmente em Havana.




a) A União Fidel, Camilo e Che


Foto Alberto Korda - Wikimedia
No México, Che Guevara primeiro conheceu Raul Castro que logo depois o apresentou ao seu irmão Fidel que organizava o movimento guerrilheiro 26 de Julho. A empatia mútua levou Che a abraçar a causa cubana e logo se tornar um dos braços direitos de Fidel. Inicialmente considerado apenas um líder intelectual, Che estava entre os 82 homens que desembarcaram em Cuba em 1956 e foi um dos 12 que sobreviveram ao ataque das tropas de Batista. É nesse ataque que Che pega em armas e definitivamente faz a sua transição de médico e intelectual para um revolucionário e líder da luta armada. 

Camilo e Chez no Museu da Revolução
Durante a época de guerrilha Che se consolida como um dos  comandantes de tropas, ao lado de Cienfuegos, Raul Castro e do próprio Fidel. Ele liderou uma divisão do exército que saiu de Sierra Maestra em uma estafante caminhada através da "sierra del escambray" em outubro de 1958 e que posteriormente tomou Santa Clara  em dezembro que determinou a fuga de Batista. 
A partir de 1958, com a instalação do governo Che seguiu sendo o braço direito de Fidel e ocupou imortantes cargos como Embaixador de Cuba, Presidente do Banco Nacional e Ministro da Industria.


Ao lado de sua ideologia política, que contribuiu para a formação do mito, Che era também capaz de atos de violência como relata o escritor americano Paul Berman atribuindo a Che a liderança dos primeiros pelotões de fuzilamento comandados pela revolução cubana e também sendo atribuído ele execuções sumárias de traidores do partido. 

Fidel, Camilo e Che - Museu da Revolução
Em 1965, Che deixou Cuba para continuar a sua luta contra o sistema dito por ele "imperialista" que dominava grande parte do mundo. Ele parte primeiro para o Congo, onde luta com outros cem cubanos, mas que resulta em uma decepção devido ao completo desconhecimento da região e dos costumes africanos. Em 1966, Che passa um tempo na Checoeslováquia e em 1967 parte para a Bolívia onde pretende montar uma base para am luta de libertação em toda a América do Sul. Com pouco apoio Che é capturado em 08 de outubro de 1967 e morto no dia seguinte.

A figura de Che é considerada um mito a ser seguido em toda Cuba e imagem frequente em todo o mundo na cabeça daqueles que sonham com mudanças através de revoluções.

b) O governo socialista de Fidel

Os primeiros pontos de reforma do governo foram centrados na campanha contra o analfebetismo, a reforma agrária e a reforma no sistema de saúde. 

Fidel lança então o seu plano de governo centrado em 20 pontos:





b) Baía dos porcos - A tentativa fracassada dos americanos


Em 1961, contrariado pela perda de propriedades, negócios e influência na ilha, incomodados com os rumos socialistas do novo governo, os Estados Unidos financiam o treinamento e armamento de cerca de 1250 exilados cubanos simpatizantes do antigo governo.  O exército de Fidel alertado  da possibilidade de invasão, enfrenta os exilados e com a falta do suporte aéreo americano que não se consolidou, vence os opositores em três dias e faz a maioria deles presos e encarcerados. O governo da Russia, através de Nikita Kruschev, envia uma carta forte ao Presidente Kennedy repudiando o ato e avisando que a União Soviética dará todo o apoio necessário a Cuba para manter a sua independencia.

c) Crise dos Mísseis - Os treze dias que abalaram o mundo

Em 1968 aviões espiões americanos detetam a construção de silos e instalação de mísseis nucelares russos na ilha de cuba apontando para o território americano cuja distância é de apenas 150 km entre os dois países. A instalação russa era uma resposta a instalação de mísseis dos EUA na Itália e Turquia, aproximando-se do território russo. Entretanto a instalação russa a 150 km da costa americana era uma ameaça inaceitável para os EUA e deflagrou o maior risco de uma guerra nuclear de grandes proporções de toda a história do planeta. 


Exibir mapa ampliado

Enquanto os militares americanos apoiavam uma intervenção militar rápida, o Presidente Kennedy teve um papel fundamental optando pela negociação diplomática. Após um período de grande tensão, Krushev concordou com a retirada dos mísseis mediante uma promessa publica do presidente Kennedy de nunca invadir ou patrocinar derrubada do governo cubano, aliada a uma promessa secreta de retirada dos mísseis da turquia em um futuro breve.

d) O Embargo econômico

Em retaliação a aproximação cubana com a União Soviética e o confisco de propriedades americanas em cuba, o Estados Unidos decretou o embargo econômico a Cuba a partir de fevereiro de 1962 e proíbe desde então as companhias americanas e suas filiais a manterem comercio com o regime de cuba. Apesar de expectativas com o atual Presidente Barack Obama, nada foi feito para diminuir o embargo. Uma grande parte da responsabilidade cabe também ao lobby dos exilados cubanos residentes nos Estados Unidos que esperam o fim do regime socialista na ilha.

VI - Cuba atual


Um país em uma encruzilhada. Essa é a situação de Cuba após todos esses anos. Apesar de conseguir diminuir a diferença social e promover uma distribuição de acesso a itens vitais como saúde, educação e alimentação básica, isso somente foi possível as custas de sacrifícios como liberdade de expressão, direito de ir e vir e ainda possibilidade de melhoria de qualidade de vida baseada no esforço e merecimento individual. 

Agora na liderança do Presidente Raul Castro, o país ensaia gestos de abertura como a concessão de vistos de saída, permissão para pequenos negócios individuais como pousadas, pequenos restaurantes e táxis. Todos concedidos com a permissão do governo. 

Esforços na recuperação de casas e prédios históricos estão sendo feitos mas é muito pouco frente as necessidades do país. 

É visível a falta de produtos para o população pois não se vê em nenhum lugar, comércios de qualquer tipo. A abertura por mais que vá ser inevitável é necessária que seja gradual para não condená-los novamente a serem eternos subservientes dos detentores de capital internacional.

Obs: No dia 19/12/13, pela primeira vez desde a revolução, o governo cubano liberou a aquisição de carros novos e usados sem necessidade de autorização prévia, em mais um esforço de modernização da economia da ilha.





VII - Dicas de Viagem


a) Quando ir

    De setembro a dezembro é o período que deve ser evitado por causa da probabilidade de acontecerem tornados, furacões, ...,. Os meses de janeiro e fevereiro são agradáveis, assim como o período de março a junho. O verão de Cuba acontece em julho e pode ser muito quente, similar ao nosso. 

b) Como ir

    A CopaAirlines faz voos de São Paulo para Havana com conexão no Panamá. São cerca de 06 (seis)  horas de viagem de São Paulo para Panamá e 02 (duas) horas do Panamá para Havana, além do tempo de conexão. 

c) O que fazer em Havana

     
    - Dar um passeio de 01 hora pelo Malecon, com os cadilacs de 1952 é imperdível.
    - Visite o museu da revolução para conhecer a história oficial
    - Faça um passeio de charrete passando pelo centro da cidade, porto, Havana velha

    - Ande pelo passeio del prado
    - Assista um show do "Buena Vista Social Club" no  café taberna. 



Cartaz no Café Taberna
Apresentação do BuenaVista Social Club

    - Ande pelas ruas de Havana Velha e aprecie as construções antigas
    - Converse com as pessoas. Elas são simpáticas e agradáveis.
    - Tome muitos mojitos. 



-  Conheça a Bodeguita del medio e o Floridita, onde Hemingway tomou  muitos daiquiris.
- Visite a praça da catedral São Cristovão.

  


d) Onde ficar


    - A minha recomendação é de ficar no "centro de Havana" ou em "Havana velha". Em Havana centro uma boa recomendação é o Iberostar Parquecentral. Em Havana velha pode ser o hotel ambos os mundos (onde Hemingway ficava), ou o hotel Los frailes. Além disso parfa quem quer conhecer com mais propriedade e menos gastos, existem as pousadas em casas cubanas que são bastante elogiadas. Consulte o tripadvisor.com.br



  e) O que comer


   - Para o turista, a comida em Cuba não chega ser um problema. Nos hotéis interna-cionais existe até uma certa fartura, como no Iberostar Parquecentral. Entretanto, não existe uma comida característica ou uma tradição de culinária mais fina. Os pratos mais comuns são frango, bife, e peixe e frutos do mar.



VIII - Referências

1. - Guia Visual Folha de São Paulo - Cuba
2. - Portal São Francisco
3. - Wikipedia - Cuba / Havana / Fidel Castro
4. - Notas de Viagem

5 comentários:

  1. Conheci um pouco de Cuba, andei pelas cidades de Santa clara, Camilo cienfuegos, Matanzas, varadeiro e Havana nova e velha , achei essa ilha encantadora pretendo regressar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou pretendendo visitar a ilha tb. Gostaria de saber onde vc conseguiu informações de onde se hospedar, restaurantes, como se locomover pra visitar essas outras cidades.

      Excluir
    2. Um site que uso muito para planejar viagens é o www.tripadvisor.com.br. Ele dá muitas informações sobre hotéis, restaurantes, ...,. Para fazer a reserva entretanto você pode fazer contato com os sites das empresas hoteleiras internacionais que operam lá como melia, iberostar, accor, ...,. Para opções de hotéis locais existem sites na internet. Como não os usei não poderei indicar nenhum especifico. As opções de passeio em Havana, Varadero são muito fáceis de arranjar por lá mesmo.

      Excluir
  2. Meu blog com mais de 100 países acessando, não tenho nenhum contato de Cuba
    www.laerciojsilva.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Muito bacana essa ideia de aprender historia pensando em viagens! Parabéns :)
    Entretanto, valem algumas correçoes: nao foi Cuba o ultimo pais americano a abolir a escravidao, infelizmente foi o Brasil, em 1888. Vale ressaltar tb que a Revoluçao Cubana nao se intitulava desde o inicio uma revoluçao comunista, foi apos a invasao da Bahia dos Porcos que se sentiu a necessidade de aproximaçao a URSS, entao esse "rotulo" foi colocado.

    ResponderExcluir